Há 50 anos, Janis Joplin veio ao Rio se desintoxicar, mas bebia no café da manhã, no almoço e no jantar

Cantora foi expulsa do Copacabana Palace, chorou na areia e bateu ponto nos botequins

Rio de Janeiro

“Eles tentaram me mandar pra rehab/ Eu disse não, não, não”, cantava a grande Amy Winehouse —pupila, é claro, de Janis Joplin, a maior cantora de rock que já existiu.

Pois Janis aceitou, sim, ir para a tal da “rehab”. Mas sua reabilitação para fugir das drogas não foi uma clínica, e sim o Carnaval carioca de 50 anos atrás. Afinal, aqui não tinha heroína, apenas maconha, LSD e mé, muito mé. Era 6 de fevereiro de 1970, uma sexta-feira véspera da folia, quando Janis pôs os pés na cidade. A data fará 50 anos nesta quinta (6).

A essa altura, a cantora havia varrido os Estados Unidos com os dois álbuns lançados com a banda Big Brother and the Holding Company, sendo que o segundo, “Cheap Thrills” (1968), havia conquistado o primeiro lugar nas paradas.

 

O terceiro disco, no entanto, “I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama!”, lançado em setembro de 1969 como um disco solo de Janis, não estava repetindo o sucesso do anterior. Foi nesse estado de espírito que a cantora desembarcou aqui cinco meses depois.

Ela e sua estilista, Linda Gravenites, se hospedaram no Copacabana Palace, onde muitos poucos se deram conta de quem se tratava. Uma funcionária da loja H. Stern que funcionava no hotel, porém, reconheceu a musa de primeira.

Isso porque o namorado dessa moça, um fotógrafo da edição brasileira da revista Rolling Stone, havia acabado de voltar de Nova York com muitos discos na bagagem, incluindo “Cheap Thrills”. E Ricky Ferreira não parava de falar da cantora para a namorada.

Naquela noite, ela disse a Ricky que sua cantora preferida estava hospedada no hotel em que trabalhava. Ferreira correu para lá no dia seguinte, mas Janis havia acabado de ser expulsa do Copacabana por ter pulado pelada na piscina.

Encontrou-a aos prantos na areia da praia, em frente ao hotel, sem saber o que fazer. Meio século depois, Ricky se recorda que tentou encontrar acomodação para as duas. “Mas era Carnaval, estava tudo lotado. Então ofereci para elas irem para o meu quarto e sala no Leblon. E fomos.”

Ricky logo percebeu a encrenca em que havia se metido: Janis tomava uma garrafa de creme de ovos Dubar no café de manhã, emendando outra de fogo paulista no almoço. Finalizava o dia com nossa marvada pinga. Nunca tomava cerveja, apenas destilados. Linda passava o dia brigando com ela, para que maneirasse.

De sólido, Janis se satisfazia com outros produtos locais, nada a ver com feijoada ou moquecas: ela se virou com biscoitos Maria (ou bolachas, em São Paulo) com uma grossa fatia de marmelada Cica enlatada. Ricky conta: “Sentada no colchão da sala, só de calcinha, ela se deitou para trás para jogar a cinza do cigarro. Ao levantar, tinha três bolachas grudadas nas costas. E nem percebeu”.

Janis Joplin no Hotel Copacabana Palace - Arquivo/Agência O Globo

A bituca de Janis também quase iniciou um incêndio no Leblon, quando dormiu certa noite com ela acesa e pôs fogo no colchão. Seu jeito de falar era bipolar: “Começava a falar com você como se fosse uma garotinha, delicada, e terminava como se fosse um motorista de caminhão.”

Nas ruas, a cantora preferia os botequins mais humildes a qualquer estabelecimento caro ou da moda. Ricky, Janis e Linda passaram dias flanando pelo Rio enchendo a cara nas esquinas. Um dos poucos que reconheceu Janis nas ruas foi o DJ Big Boy, que a levou na noite de domingo ao palanque da revista Manchete, na Candelária, para assistir ao desfile das escolas de samba.

Logo a notícia de que Janis Joplin estava no Rio se espalhou. Ricky tentou até organizar um show na praça Nossa Senhora da Paz, mas a ideia não evoluiu. Janis, entretanto, voltou ao Copacabana Palace para dar uma entrevista coletiva à imprensa carioca.

“O Hélio Oiticica me ligou dizendo que Janis ia falar no Copa”, lembra o jornalista e produtor Nelson Motta. “Não estava trabalhando para jornal nenhum, fui de alegre. E ela estava bem contente durante a coletiva”, conta ele, que narra o episódio com mais detalhes em seu livro “Noites Tropicais”.

O evento rendeu um convite a Janis. Um ricaço, dono de uma rede de lojas, convidou a cantora para seu camarote no maior baile da cidade, que acontecia no Theatro Municipal. De noite, lá estavam eles na Cinelândia. “Não foi uma boa experiência”, lembra Ricky.

“Janis usava aquelas roupas diferentes e tinha pelos debaixo do braço. Foi vaiada na chegada ao baile. Alguns achavam que era uma travesti. Subimos ao camarote e batemos na porta. Eu anunciei: ‘Aqui é o fotógrafo Ricky Ferreira com a cantora americana Janis Joplin’. Houve um burburinho do lado de lá e de repente uma voz de homem: ‘Ela é boa?’. O rapaz na porta olhou Janis de cima a baixo e gritou para dentro: ‘Não, é canhão’. ‘Então, não! Mulher feia não entra no meu camarote.’ E bateram a porta na nossa cara.”

Janis não entendia uma palavra de português, mas entendeu tudo o que tinha acabado de acontecer. Não quis nem conhecer o salão do baile. “Saiu de lá aos prantos”, lembra Ricky. “E tomou uma garrafa de champanhe no gargalo.”

Janis não desistiu da balada carioca. Certa noite, acabaram na Bolero, uma boate de prostituição na orla de Copacabana, em meio a malandros, marinheiros e gringos perdidos.

No palco, Serguei cantava. Ele, que dizia ter conhecido Janis tempos atrás nos EUA, a chamou para uma canja, e foi essa a estreia de Janis Joplin no show business brasileiro. Cantou à capela, pois a banda não conhecia suas canções. 

Certo dia, Ricky levou Janis à praia da Macumba, na zona oeste. Janis fez topless e, mamada, apagou na areia, de costas para o sol. Acordou duas horas depois com queimaduras que causaram bolhas
e um mau humor terrível.

Numa dessas, ela conheceu o americano David Niehaus, com o qual se deu muito bem. Passaram a namorar, história que está descrita no documentário “Janis: Little Girl Blue”, de Amy Berg, lançado em 2015. Janis aproveitou para mandar Linda de volta aos EUA e se mandou da casa de Ricky, a quem agradeceu dando um anel de ouro com três safiras.

Serguei, que morreu em junho, contava que teve um caso de amor com Janis também durante a estadia no Rio. Disse também que a levou para cantar na casa Porão 73, no Leme, numa noite em que estavam presentes Alcione e Tony Tornado. Janis cantou “Summertime” e foi um sucesso.

A relação com Serguei, entretanto, não evoluiu, e Janis subiu na garupa de Niehaus rumo à Bahia. Lá, estiveram em Salvador e, em seguida, em Arembepe, uma vila de pescadores que já havia recebido Mick Jagger e Keith Richards, no verão de 1968.

Oito meses depois da aventura no Brasil, Janis Joplin foi encontrada morta após uma overdose de heroína em Los Angeles. Seu último disco, “Pearl”, traria uma canção instrumental, pois ela morreu antes de gravar os vocais. Chama-se “Buried Alive in the Blues” (enterrada viva na tristeza), composta pelo ex-marido da estilista Linda, Nick Gravenites.

Dezesseis dias antes de Janis, Jimi Hendrix morreu de overdose de barbitúricos. E, 41 anos depois, foi a vez de Amy Winehouse, por intoxicação alcoólica. Os três tinham 27 anos.

Erramos: o texto foi alterado

Jimi Hendrix morreu 16 dias antes de Joplin e por uma overdose de barbitúricos, e não de heroína. O texto foi corrigido. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.