Descrição de chapéu Coronavírus

Coronavírus fechou quase 90% dos museus no mundo, e 13% não devem reabrir

Na Europa, instituições já iniciaram um processo de reabertura

São Paulo

Durante a crise do coronavírus, quase 90% dos museus e instituições museológicas fecharam suas portas e cerca de 13% correm o risco de não voltarem à atividade, segundo estudos realizados pela Unesco e pelo Conselho Internacional de Museus, o Icom.

Durante o período de isolamento social, as instituções têm disponibilizado conteúdo online, ainda que de forma tímida ou pouco inovadora, segundo especialistas da área. Na África e em países pequenos em desenvolvimento (como Haiti e Guiana), no entanto, apenas 5% dos museus ofereceram conteúdo na internet.

Ainda de acordo com a Unesco, desde 2012, o número de museus em todo o mundo aumentou cerca de 60%. A instituição calcula que hoje são 95 mil museus no planeta.

Na Europa, os museus já iniciaram um processo de abertura, entre eles, os da Alemanha. Os 16 estados do país estabeleceram seus próprios cronogramas para aliviar as medidas de confinamento. Os museus de Berlim foram autorizados a reabrir em 4 de maio, mas muitos deles continuam fechados, segundo o jornal The New York Times.

Alguns, como a Berlinische Galerie, precisaram de uma semana a mais para reorganizar a logística e adotar novos procedimentos de segurança e decidiram reabrir no dia 11 de maio.

A maioria dos museus, mas não todos, requer que os visitantes usem máscaras. Alguns instalaram placas instruindo os visitantes a seguir determinados percursos, ou criaram sistemas online de vendas de ingressos que dispõem horários escalonados de entrada, para prevenir a formação de multidões.

Alguns museus da Espanha, da França, da República Tcheca e da Suíça reabriram na primeira quinzena de maio. Na França, alguns museus locais de menor porte foram autorizados a reabrir no dia 11, mas o governo ainda não anunciou as datas de reabertura de grandes instituições como o Louvre.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.