Governo volta a nomear PM para Cultura duas semanas depois de sua demissão

Casa Civil havia suspendido nomeação de André Porciuncula para pasta de Fomento e nomeado defensor de Mandetta

São Paulo

O capitão da André Porciuncula da Polícia Militar voltou a ser nomeado para chefiar a subpasta de Fomento, na Secretaria Especial da Cultura do governo Bolsonaro. Há duas semanas, a Casa Civil havia tornado sem efeito a primeira nomeação de Porciuncula para o mesmo cargo —ele havia sido nomeado em agosto. Nesse ínterim, o PM não chegou a assinar nenhum ato administrativo.

Nas redes, ele se mostra defensor do presidente Jair Bolsonaro, já fez críticas aos “autoproclamados iluministas” e posta frases como “a cultura é um insight espiritual de primeira grandeza, é o evento teofânico em que o culto (cultura) brota em uma sociedade e define todos os demais aspectos da existência humana”.

Na semana passada, o governo Bolsonaro chegou a designar o advogado Paulo Roberto Tellechea Sanchotene como secretário substituto da pasta de Fomento e Incentivo à Cultura.

Em abril, Sanchotene escreveu um texto em defesa da conduta do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à pandemia. O título do texto era "Keep Calm and Trust Mandetta".

Outro nome que foi demitido para em seguida ser conduzido para outro cargo comissionado é Maurício Noblat Waissman, que atualmente está como secretário de Desenvolvimento Cultural. Ele atuava como coordenador-geral da Política Nacional de Cultura Viva, mas foi demitido pela então chefe da Secretaria Especial da Cultura, a atriz Regina Duarte.

No Facebook, Noblat Waissman se apresenta como um “cristão, conservador, bolsonarista raiz, escritor, palestrante, professor, advogado, artista plástico e cronista dos absurdos tragicômicos do cotidiano”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.