Descrição de chapéu Cinema

Os curtas do Oscar 2022 que valem mais do que séries e outras dicas do streaming

Leia a primeira edição da newsletter Maratonar, com sugestões do que assistir no fim de semana

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Esta é a primeira edição da Maratonar, a newsletter da Folha que ajuda você a se achar no meio de tantas opções de séries e filmes no streaming. Quer recebê-la todas as sextas no seu email? Inscreva-se abaixo.

Quantas vezes você já viu um amiguinho reclamando que um filme de duas horas é muito longo, mas vendo tranquilamente três episódios de 40 minutos de uma série (ruim) qualquer?

Que tal então experimentar os documentários em curta-metragem indicados ao Oscar 2022? Nenhum passa de 40 minutos. De quebra, os filmes podem ajudar a decidir em quem votar no bolão da cerimônia, que acontece neste domingo.

Curtas do Oscar que valem mais que uma série

Audible
Indicado ao Oscar de curta documentário, o filme acompanha um time de futebol americano de um colégio para surdos e como alguns dos integrantes estão lidando com o suicídio de um aluno, principalmente Amaree, que vive o luto antes de um grande jogo.
38 min. Disponível na Netflix

Onde Eu Moro
Este curta indicado ao Oscar faz um retrato dos moradores de rua em diferentes estados americanos. Com depoimentos de várias pessoas em situação de rua, o documentário mostra como muitos buscam um meio de se sustentar, mas não conseguem arcar com o custo de vida e acabam morando em carros ou barracas e como muitas vezes eles contam com a ajuda de ONGs no lugar do governo. O filme tem a direção conjunta do americano Jon Shenk e do brasileiro Pedro Kos. Kos é única presença do Brasil no Oscar.
40 min. Netflix

Cena do documentário 'Onde Eu Moro', sobre moradores de rua dos EUA, indicado ao Oscar - Foto: Netflix/Divulgação

The Queen of Basketball
O documentário faz parte da série "Op-Docs", produzida pelo jornal The New York Times, que traz pequenos filmes independentes, como este dirigido por Ben Proudfoot. A rainha do basquete do título é Lusia Harris, negra nascida no estado americano do Mississippi em 1955 que foi tricampeã universitária e ganhou uma medalha de prata na primeira participação olímpica da modalidade. Seus números eram tão impressionantes que ela chegou a ser recrutada por um time da NBA, mas não aceitou o convite. É a própria Lusia, ou Lucy, que conta sua trajetória —a ex-atleta, que está no Hall da Fama, morreu em janeiro deste ano.
22 min. YouTube.

Três Canções para Benazir
É o mais premiado entre os documentários curtas indicados e o único produzido fora dos Estados Unidos —foi feito no Afeganistão, pelo casal Gulistan Mirzaei e Elizabeth Mirzaei. Retrata a história de um jovem recém-casado e sem perspectiva que vive num campo de refugiados e teme tanto o Exército americano quanto o Talibã.
22 min. Netflix

When We Were Bullies
A tradução pode ser algo como "quando fazíamos bullying". Aqui, o veterano diretor Jay Rosenblatt resgata uma história pessoal neste documentário em curta-metragem (também indicado ao Oscar), que mistura depoimentos atuais com colagens na edição. Ele relembra um caso de bullying coletivo contra um aluno de sua escola, do qual ele fez parte, nos anos 1960.
33 min. YouTube (sem legendas).

A Sabiá Sabiazinha
Indicado para o Oscar de animação em curta-metragem, esse filme é uma parceria da Netflix com a Aardman, responsável pelas séries "Wallace & Gromit" e "Shaun, O Carneiro". Aqui, uma sabiá criada por uma família de ratinhos faz um desejo para a estrela de uma árvore de Natal e tenta encontrar seu lugar no mundo —e, quem sabe, aprender a voar também. Com a voz de Gillian Anderson no original (a vilã gata), a animação em stop-motion deve agradar não só aos pequenos, mas também aos fãs crescidos do estúdio.
32 min. Netflix

Dois Estranhos
Dica bônus. Este ótimo curta de ficção foi premiado com o Oscar no ano passado, mas continua valendo muito uma clicada. Na trama, um jovem negro deixa o apartamento da namorada pela manhã. No caminho para sua casa, se depara com um policial branco racista. A discussão entre os dois fica acalorada e termina com ele sendo morto. No entanto, no melhor estilo "Feitiço do Tempo", ele volta a acordar na casa da namorada e repete o mesmo percurso, que acaba com o mesmo desfecho. Ele começa então a buscar alternativas que o façam sair da armadilha temporal.
32 min. Netflix

um policial branco traz para si um homem negro pelas alças da mochila dele
Joey Bada$$ e Andrew Howard em cena de 'Dois Estranhos', da Netflix - Divulgação

O que tem de novo

Ascensão
O documentário de Jessica Kingdon, indicado ao Oscar, acompanha a busca pelo "sonho chinês", explorando as diferentes classes sociais em um país em que todos os números são grandiosos. Com poucos diálogos, o filme se apoia sobretudo na montagem, que mostra o cotidiano desde uma linha de montagem de uma fábrica a uma escola de boas maneiras que prepara assistentes pessoais para os novos ricos do país. Não é o favorito para o Oscar, que deve ficar com "Summer of Soul", ainda nos cinemas.
97 min. Disponível no Paramount+

Farrapo Humano
Apesar de ser menos popular que "Quanto Mais Quente Melhor" ou "Crepúsculo dos Deuses", "Farrapo Humano", de 1945, é um dos melhores filmes de Billy Wilder e rendeu ao diretor seu primeiro Oscar (levou outros três, incluindo melhor filme). O drama conta a história de um escritor (o oscarizado Ray Milland) que se isola em Nova York para escrever um livro, mas sofre com um bloqueio criativo e se entrega ao alcoolismo.
100 min. Disponível no Belas Artes à la Carte

Sorte de Quem?
Era para ser um simples roubo em uma propriedade isolada e vazia. Mas quando o casal abastado retorna e flagra o ladrão, a situação se complica e se transforma em um pequeno sequestro. Este suspense psicológico com jeitão de filme antigo se baseia praticamente nesses três personagens, interpretados por Jason Segel (o ladrão), Lily Collins e Jesse Plemons —indicado ao Oscar de coadjuvante por "Ataque dos Cães", mas bem mais falante aqui. O filme foi imaginado antes da pandemia e tem direção de Charlie McDowell, marido de Collins.
92 min. Disponível na Netflix

Life & Beth
Série produzida, escrita e protagonizada pela comediante Amy Schumer que mistura humor e drama. Com episódios curtinhos (menos de 30 minutos), traz Schumer como Beth, uma mulher infeliz com o estágio de sua vida. Ela trabalha como uma representante de uma empresa que vende vinhos, onde é ofuscada pelo popular namorado, e tem uma relação de submissão em relação à mãe. Tudo começa a mudar com uma notícia trágica no fim do primeiro episódio. A produtora original Hulu já disponibilizou os dez episódios. No Brasil, temos apenas os dois primeiros.
Star+

Cenas da primeira temporada da série 'Life & Beth' com Amy Schumer e Michael Cera - Divulgação/ Hulu

Dica de graça

A Parte dos Anjos
Neste delicioso filme de Ken Loach, um jovem delinquente escocês é obrigado a fazer serviços comunitários com um grupo de desajustados e acaba descobrindo que tem talento como degustador de uísque. Para tentar mudar de vida, ele então arma um plano para roubar o destilado de um raro barril que foi encontrado e que vale uma fortuna.
101 min. Disponível no Sesc Digital Cinema em Casa, gratuitamente, até 24/4

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.