Descrição de chapéu Perspectivas

Comédias românticas renovam fórmula e amadurecem em busca de novo público

Filmes com orçamentos menores surgem como opção a obras distópicas e de super-heróis

Ieda Marcondes

Em 2012, antes mesmo do final da saga "Crepúsculo", o gênero que substituiria o fenômeno vampiresco já dava as caras nos cinemas dos EUA: a distopia adolescente. Estrelado por Jennifer Lawrence, "Jogos Vorazes" desencadeou uma série de outras produções de menos sucesso, como "Ender's Game - O Jogo do Exterminador" e "O Doador de Memórias".

A premissa era quase sempre a mesma: jovens com talentos especiais desafiam um regime fascista ou alguma força opressora de um futuro não tão distante. Em 2016, quatro anos após a estreia de Lawrence como a rebelde Katniss Everdeen, um artigo na Vanity Fair dizia: "Falta mais um filme da série 'Divergente', e o último 'Maze Runner', mas depois disso? Estamos fartos".

Na onda de "Jogos Vorazes", filmes como "A Hospedeira" e "A 5ª Onda" tentaram explorar um público feminino que, até então, fora ignorado pelos blockbusters de heróis. Em 2017, porém, o sucesso de "Mulher-Maravilha" deu o golpe final na distopia adolescente, alavancando mais superproduções baseadas em heroínas ("Capitã Marvel", com Brie Larson, tem estreia prevista para 2019).

Sem um orçamento polpudo como o da Marvel ou da DC, a comédia romântica surgiu como alternativa a rebeldes e super-heróis. Disponíveis na Netflix, produções mais modestas como "Para Todos os Garotos que Já Amei" e "Sierra Burgess É uma Loser" tentam reformular o estilo de John Hughes, de clássicos como "Clube dos Cinco" (1985) e "Curtindo a Vida Adoidado" (1986).

Baseado no livro de Jenny Han, "Para Todos os Garotos que Já Amei" tem roteiro de Sofia Alvarez e direção de Susan Johnson. Conta a história de Lara Jean, adolescente introvertida que nunca teve coragem de se declarar aos paqueras. Cansada de vê-la sozinha, sua irmã mais nova decide enviar as declarações de amor da garota a seus destinatários.

Interpretada pela talentosa Lana Condor, Lara Jean perdeu a mãe, de ascendência coreana, ainda na infância. Para compensar a ausência, o pai (vivido por John Corbett, de "Casamento Grego") tenta preparar pratos coreanos para as filhas, mas sem bons resultados. A melancolia de Lara Jean, bem como a relação carinhosa com o pai, lembram "A Garota de Rosa-Shocking"--atualizado, porém, com uma protagonista de origem asiática.

No início deste ano, a protagonista do filme de 1986, Molly Ringwald, escreveu um artigo na revista New Yorker em que refletia sobre alguns aspectos da obra, com roteiro de John Hughes. Aos 50, a musa ruiva dos anos 1980 elogiava a sensibilidade do diretor, mas ressaltou aspectos "racistas, misóginos e, às vezes, homofóbicos" de alguns dos filmes.

Em "Gatinhas & Gatões" (1984), por exemplo, Gedde Watanabe interpreta Long Duk Dong, um aluno de intercâmbio, vindo de um país asiático indefinido, que desconhece os costumes ocidentais e serve como um alívio cômico grosseiro. A caracterização estereotipada lembra o infame papel vivido por Mickey Rooney em "Bonequinha de Luxo" (1961).

A nova comédia romântica pode não retratar adolescentes desafiando o sistema, mas busca uma representação mais inclusiva e variada. Sucessos recentes como "Com Amor, Simon" e "Não Vai Dar" lidam com jovens homossexuais de maneira natural, sem apelar ao ridículo ou ao tom mais trágico. A mudança deu certo. "Com Amor, Simon" foi um sucesso de bilheteria e inspirou espectadores a saírem do armário.

Segundo a Netflix, "Para Todos os Garotos Que Já Amei" é uma das produções originais mais vistas e revistas no serviço de streaming. Da noite para o dia, o jovem galã Noah Centineo ganhou um milhão de seguidores no Instagram; as ações da Yakult, citada numa cena, dispararam.

"O mundo real já parece uma distopia, as pessoas precisam de um pouco de felicidade," disse a atriz Shannon Purser, estrela de "Sierra Burgess É uma Loser". Na adaptação pós-moderna de "Cyrano de Bergerac", com roteiro da estreante Lindsey Beer, Sierra é uma "loser" que se alia à garota mais cobiçada do colégio para conquistar um rapaz. 

shannon
Shannon Purser em cena do filme 'Sierra Burgess É uma Loser', da Netflix - Divulgação

Diferentemente do clichê de filmes adolescentes dos anos 1990, como "Ela É Demais" ou "As Patricinhas de Beverly Hills", Sierra não passa por uma transformação física para se tornar popular. Conhecida por interpretar Barb em "Stranger Things", Purser é uma protagonista incomum, distante do padrão hollywoodiano de beleza.

O renascimento das comédias românticas não é só resultado da overdose de super-heróis. Também ecoa a retomada feminina de um gênero historicamente ignorado por tratar de mulheres. "Nós subestimamos o processo de criação desses filmes. Comédias românticas podem parecer fáceis de fazer, mas é necessário muita habilidade, ou não teríamos tantas comédias românticas ruins," escreveu Rachel Thompson, crítica de cultura da Mashable.

Indicado em cinco categorias do Oscar (inclusive filme e direção), "Lady Bird "“ A Hora de Voar", de Greta Gerwig, foi esnobado na cerimônia de 2018 e não levou uma única estatueta para casa. "Os homens parecem ter a impressão de que filmes femininos são aguados, sem substância," declarou a atriz Saoirse Ronan, indicada como melhor atriz.

Atualmente, de 149 filmes em produção pelos seis maiores estúdios de Hollywood, apenas 12 têm mulheres como diretoras. Talvez o caminho seja a mudança de plataforma, do cinema para as telas de streaming.


Ieda Marcondes é formada em cinema com pós-graduação em jornalismo cultural, é crítica de cinema.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.