Cade e BC fecham acordo para pôr fim a disputa no STF

Memorando define atuação conjunta das duas autarquias em casos de fusões e aquisições

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn - Pedro Ladeira-06.fev.2018 /Folhapress
Julio Wiziack
Brasília

Depois de quase três décadas de discussão, o Banco Central e o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) assinam, nesta quarta-feira (28), um acordo para que a disputa de competência que travam no Supremo Tribunal Federal seja encerrada.

No memorando, as duas autarquias concordam que ambas terão papel fundamental na análise de operações de fusões e aquisições envolvendo instituições financeiras.

Para ocorrer, uma operação precisará ter "duplo sim". A exceção valerá para casos em que haja “risco sistêmico”, quando somente o BC atuará.

Nos próximos dias, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto, devem protocolar no STF um pedido de cancelamento da ação que tramita desde os anos 1990.

O acordo entre Cade e BC prevê ainda a atuação conjunta em casos de cartel denunciados no Cade ou por meio de acordos de leniência firmados com o BC.

Com base no memorando, as duas instituições também pedirão “ajustes” no projeto de lei do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) que trata sobre o assunto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.