Descrição de chapéu alimentação

Marfrig aprova financiamento até US$ 900 mi para compra da National Beef

Marfrig se torna a 2ª maior empresa de carne no mundo com aquisição da americana

Eduardo Miron, diretor financeiro da Marfrig, em conferência em São Paulo
Eduardo Miron, diretor financeiro da Marfrig, em conferência em São Paulo - Paulo Whitaker - 9.abr.2018/Reuters
São Paulo | Reuters

Marfrig informou nesta terça-feira (15) que seu conselho de administração aprovou a contratação de financiamento até US$ 900 milhões em operação relacionada à compra da norte-americana National Beef.

O financiamento será contratado por sua subsidiária norte-americana NBM US Holdings junto ao Rabobank e desembolsado em parcelas a cada solicitação de desembolso, com prazo de 364 dias contados.

O objetivo do empréstimo é financiar a aquisição de 51% do capital social votante e total da National Beef, conforme acordo anunciado no início de abril.

A Marfrig anunciou no início do mês passado o acordo para comprar as ações da americana, por US$ 969 milhões (R$ 3,3 bilhões).

Com um faturamento combinado superior a R$ 43 bilhões e capacidade de abate em torno de 35 mil, a Marfrig passa a ser a segunda maior processadora de carne bovina do mundo, atrás apenas da JBS. 

NEGÓCIOS

A Marfrig espera concluir em breve a venda de sua unidade Keystone, fornecedora de alimentos processados para redes de restaurantes, que tem as operações concentradas nos Estados Unidos e na Ásia, afirmou nesta terça o presidente-executivo da companhia, Martin Secco.

"Esperamos finalizar a negociação no curto prazo", disse ele em teleconferência com analistas, afirmando que não poderia entrar em detalhes sobre a operação devido a questões de sigilo, mas acrescentando que o interesse dos investidores está em linha com as expectativas da companhia.

De acordo com Secco, além da venda planejada da Keystone e da aquisição do controle da National Beef, a Marfrig não tem mais planos de fusões e aquisições em 2018. "Nosso foco está na conclusão das duas operações estratégicas anunciadas."

A venda da Keystone também é considerada pela companhia como relevante para alcançar a meta de endividamento medido pela relação dívida líquida e Ebitda de 2,5% no fim do ano. No final do primeiro trimestre, a alavancagem foi de 3,67 vezes.

De acordo com Secco, com a venda da Keystone a empresa dará um novo passo na gestão de seus passivos, conforme busca ser a empresa com melhor saúde financeira do setor.

Na véspera, a companhia reportou prejuízo líquido de R$ 206 milhões no primeiro trimestre, ante prejuízo de R$ 233 milhões no mesmo período de 2017.

BRASIL

O executivo afirmou que espera a continuidade do ciclo positivo para o mercado de carne bovina no Brasil e que está satisfeito com o desempenho das fábricas que entraram em operação no ano passado, apesar de desafios, citando que tem avançado comercialmente nos mercados doméstico e externo.

"Tomamos a decisão consciente de que teríamos muitos desafios...mas estamos satisfeitos e confiantes de que foi a decisão correta", afirmou Secco.

No primeiro trimestre, o abate da divisão Beef da Marfrig cresceu 42% e somou 887 mil cabeças, com taxa de utilização da capacidade efetiva de 82% no Brasil.

Na teleconferência, ele também disse que a empresa está em processo de habilitação de unidades no Brasil para exportar para Oriente Médio e China, entre outros mercados, enquanto prevê a aprovação da habilitação das fábricas no Uruguai para vender para o Japão no segundo semestre.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.