Ministros de Agricultura do G20 expressam preocupações sobre medidas protecionistas

Em encontro em Buenos Aires, um comunicado conjunto afirma o comprometimento em não adotar obstáculos ao comércio

Vista aérea de um agricultor aplicando fertilizante em um instituto de investigación de agricultura, na área de Lixiahe, em Yangzhou, provincia de Jiangsu, ba China
Vista aérea de agricultor na China - Xinhua/Meng Delong
Buenos Aires | Reuters

Ministros da Agricultura dos países do G20 disseram no sábado que estavam preocupados com o aumento do uso de medidas não-tarifárias protecionistas inconsistentes com as regras da OMC (Organização Mundial do Comércio).

Ministros de países como os Estados Unidos e a China, que estão em Buenos Aires para o encontro do G20 entre ministros de Agricultura, afirmaram em comunicado conjunto o comprometimento em não adotar obstáculos desnecessários ao comércio, e afirmaram seus direitos e deveres diante dos acordos da OMC.

O encontro acontece em meio ao aumento de tensões comerciais que agitaram os mercados agrícolas. A China e outros parceiros comerciais dos Estados Unidos impuseram tarifas retaliatórias a produtores norte-americanos depois que o governo Trump impôs cobranças a bens chineses, assim como ao aço e alumínio vindo da União Européia, Canadá e México.

 

O governo Trump vai pagaria até US$ 12 bilhões (R$ 44 bilhões) para ajudar produtores rurais norte americanos na guerra comercial. Trump e o chefe da Comissão Europeia chegaram a um acordo na última quarta-feira (25) que encerrou o risco de guerra comercial entre as duas potências.

Os ministros não especificaram a quais medidas se referiam no comunicado.

"Reconhecendo a importância do papel da OMC, concordamos em continuar a reformar o processo de regras de comércio agrícola", disseram os ministros do G20, que juntos detêm 60% das terras agrícolas do mundo e 80% das commodities agrícolas e alimentícias, em um comunicado.

Depois de se encontrarem com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Trump disse que a União Europeia compraria muita soja dos Estados Unidos.

A ministra da Agricultura da Alemanha, Julia Kloeckner, disse que a relação comercial entre os EUA e a União Europeia está melhorando, mas que não havia garantias que os europeus importariam a quantidade de soja que Washington espera.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.