Itaipu deverá pagar quase R$ 1 bi por pontes em Mato Grosso do Sul e no Paraná

Conta das obras foi estimada em valor equivalente a R$ 664 milhões

Taís Hirata
São Paulo

A construção de duas pontes entre Brasil e Paraguai, que poderá ser arcada por Itaipu, deverá ter um valor ainda maior do que o previsto e chegar a quase R$ 1 bilhão.

A conta das obras foi estimada pela empresa em US$ 170 milhões (R$ 664 milhões), que seriam pagos pela usina hidrelétrica até 2022.

O valor, porém, também deverá conter outros US$ 70 milhões (R$ 274 milhões), referentes a obras complementares e a desapropriação dos terrenos onde as duas pontes poderão ser construídas.

Com isso, a conta que Itaipu deverá herdar chegaria a aproximadamente US$ 240 milhões (R$ 938 milhões).

A Itaipu afirmou, por meio de assessoria de imprensa, que ainda “não há nada confirmado” sobre os valores e que parte da área que será desapropriada é da União, o que reduziria o custo.
Conforme antecipou a Folha, há uma pressão política de governos locais para que a hidrelétrica arque com os empreendimentos, o que é questionado por especialistas do setor elétrico. 

Há temor de que os dois projetos de infraestrutura viária onerem a conta de luz, já que Itaipu é bancada pela chamada tarifa custo —ou seja, todas as suas despesas são repassadas à tarifa de energia.

Os defensores das pontes argumentam que a tarifa de Itaipu está congelada há anos, em dólar, e a empresa garante que ela não será reajustada, pois cortes em outras áreas vão compensar um eventual aumento de gastos com as obras.

No entanto, especialistas do setor de energia, críticos à proposta, questionam que, se pode haver cortes nas despesas, melhor seria reduzir a tarifa dos consumidores.

Também ressaltam que é preciso ter cautela com a aprovação dos empreendimentos financiados por Itaipu.

Uma delas, projeto mais antigo, até se encaixa na definição. Ela ligaria Foz do Iguaçu à cidade paraguaia de Presidente Franco, vizinha a Ciudad del Este, passando pelo rio Paraná. Seria uma espécie de segunda ponte da Amizade, que hoje está congestionada.

Ponte da Amizade sobre o rio Paraná, que liga Foz do Iguaçu a Ciudad del Este, no Paraguai - Lalo de Almeida - 14.fev.2015/Folhapress

A outra ponte, no entanto, um projeto mais recente, sairia de Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, sobre o rio Paraguai. A cidade, localizada a aproximadamente 800 quilômetros da usina de Itaipu, será ligada ao município paraguaio de Carmelo Peralta, no nordeste do país.

Um especialista do setor questiona por que essa segunda ponte é considerada uma área de influência da hidrelétrica e diz que a obra abre precedente para que outros empreendimentos sem ligação com Itaipu sejam financiados pela usina.

Técnicos do setor, que falaram sob a condição de não terem os nomes divulgados, afirmam ainda que não há eficiência financeira no uso de recursos de Itaipu Binacional para obras.

A medida, no fim, argumentam, encarece a construção das pontes, porque vincula o pagamento dos empreendimentos à tarifa de energia, sobre a qual incidem impostos e encargos setoriais —que, na prática, passariam a incidir também sobre o custo dos empreendimentos.

Cerca de 40% da conta de luz dos brasileiros corresponde a tributos e encargos setoriais.

A empresa, porém, destaca os benefícios da iniciativa. “Com a construção das pontes, a usina de Itaipu investiria em duas importantes obras de infraestrutura, consideradas fundamentais e estruturantes para os países, o que viria a facilitar o comércio e a segurança na região de fronteira”, afirmou Itaipu, em nota.

“Vale lembrar que Itaipu tem um compromisso histórico com a região, principalmente em relação à área alagada”, diz a empresa, que também afirma que o financiamento das pontes pela usina “iria desonerar o Tesouro, sem nenhum custo adicional para o consumidor de energia”.

No Paraguai, esses investimentos feitos por Itaipu têm um peso forte, e a empresa assume um papel semelhante ao de um ministério, segundo uma pessoa familiarizada com a operação da usina.

Os recursos da companhia têm viabilizado também eventos culturais.

Neste ano, por exemplo, Itaipu Binacional vai desembolsar cerca de R$ 1 milhão para custear festa de fim de ano de Foz do Iguaçu. A programação inclui mais de 200 atrações, ao longo de 40 dias. Um dos pontos altos da agenda é um show do cantor Michel Teló.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.