Facebook chega aos 15 anos com receita em alta e sob escrutínio

Próxima polêmica promete vir de integração com WhatsApp e Instagram

Paula Soprana
São Paulo

Mark Zuckerberg, presidente-executivo do Facebook, começou e terminou 2018 com pedidos de desculpas. A quebra de confiança com parte da rede social não impediu a companhia de chegar aos 15 anos reafirmando seu potencial financeiro, com crescimento de 30% na receita trimestral, lucro recorde e aumento da base de usuários, que chegou a 2,53 bilhões por mês.

Na quarta-feira (30), a empresa informou que, no ano em que enfrentou o maior escrutínio em razão de casos de violação de dados, a receita cresceu 37%, e o lucro, 39%.

Apesar de amargurar queda nas ações ao longo de 2018, a gigante reanimou investidores ao mostrar resultados firmes e delinear a ambição dos anos seguintes: integrar a família de produtos —Facebook, WhatsApp e Instagram.

A empresa planeja redesenhar os aplicativos e reunir o serviço de troca de mensagens das três plataformas. A mudança deve ocorrer em 2020.

Para analistas, a estratégia tende a garantir mais lucro e firmar a empresa em mercados emergentes onde o WhatsApp não encontra rival à altura, como Índia e Brasil.

“Já é difícil ter competidor em países em desenvolvimento, imagine com a fusão dos três”, diz Yasodara Córdova, pesquisadora na Digital Harvard Kennedy School.

A forma como o Facebook conduzirá essa transformação ainda é incerta, mas a justificativa para o plano é simples. O Facebook terá mais condições de entender o fluxo de mensagens e, assim, direcionar melhor os anúncios. 

Para ter WhatsApp, a pessoa fornece o número de celular, que pertence à infraestrutura das operadoras. Num futuro próximo, talvez possa acessar pelo login do Facebook.

“Ao integrar os produtos, o grupo fecha o ciclo e se posiciona em todos os cantos da internet. Há o app Instagram, o ponto web do Facebook e o espaço para mensagens. Amplia os pontos de venda para incluir publicidade”, acrescenta a pesquisadora.

Nessa etapa de vida, a base de usuários do Facebook nos Estados Unidos, no Canadá e na Europa parece ter estagnado, apesar de a precificação por usuário (o quando cada um gera de receita) ainda ser maior em relação a outras regiões.

Os dois países juntos adicionaram apenas 1 milhão de novos usuários em 2018. A Europa registrou mais 4 milhões. Já a Ásia-Pacífico e o resto do mundo, 74 milhões e 45 milhões, respectivamente.

Brasil e Índia são dois países percebidos como mercados de experimentação na curva de maturidade do segmento móvel. 

Segundo a empresa de análise de dados App Anie, a dupla é fraca em receita vinda de celulares, mas fundamental para formar hábitos e gerar as fases de adoção e ubiquidade, quando consumidores começam a gastar em aplicativos, em países como Japão, EUA e China.

“Apesar de crescer pouco em países mais ricos, as pessoas que já estão nos produtos do Facebook acessam e gastam. O importante será fazer com que fiquem mais tempo conectadas”, diz William Castro Alves, da Avenue Securities, que acompanha empresas listadas na Bolsa americana.

Além da futura integração, “que será o debate do ano”, Alves destaca o papel dos stories do Instagram no próximo ano da empresa. “Vai virar um canal cada vez maior de anúncios.” 

Os stories contam com 500 milhões de usuários ativos. Brasil e Índia são, novamente, os que passam mais horas  ligados a aplicativos do tipo.

Os números otimistas do debute do Facebook, no entanto, não inibem os problemas. Apesar do investimento em segurança da informação (são 30 mil funcionários, ante 10 mil de poucos anos atrás), Zuckerberg ou Sheryl Sandberg, chefe de operações executivas, têm de dar uma nova explicação a cada semana. 

O caso mais recente envolve o pagamento de US$ 20 para que adolescentes testassem aplicativos para investigar seus hábitos de consumo.

Em 2018, foram três casos graves de violação de privacidade, uso massivo da rede para desinformação em democracias e falhas de segurança envolvendo dados de dezenas de milhões. Zuckerberg, que havia prometido “consertar o Facebook”, ponderou no último discurso que “ainda vamos cometer erros ao longo do caminho”.

 

Fatos importantes na trajetória da controversa empresa de Zuckerberg

2004 
Fevereiro
 No dia 4, Mark Zuckerberg, Dustin Moskovitz e Eduardo Saverin lançam ‘The Facebook’, rede social para universitários

2005
Setembro 
Vira ‘Facebook’ e agrega redes universitárias internacionais 

2006
Maio 
Passa a reunir redes sociais corporativas

2007
Dezembro 
Depois de lançar função de vídeo, alcança 58 milhões de pessoas 

2008
Abril 
Cria o Facebook Chat 

2009
Fevereiro 
Lança o botão ‘Curtir’ 

2010
Dezembro 
Chega a 600 milhões de inscritos

2011
Setembro 
Junto ao Twitter, é usado para  mobilização social no Ocuppy Wall Street, em NY

2012
Abril 
Compra Instagram por US$ 1 bilhão
Maio Entra na Bolsa de Valores; ações são ofertadas a US$ 38

2013
Junho 
Lança vídeo no Instagram 
Novembro Tenta adquirir Snapchat por US$ 3 bilhões; Evan Spiegel recusa 

2014
Julho 
Compra Oculus, de realidade virtual, por US$ 2 bilhões
Outubro Finaliza aquisição do WhatsApp por US$ 22 bilhões 

2015
Setembro
 Mais de 400 milhões de pessoas usam Instagram; Facebook chega à marca de 1 bilhão de visitantes em um único dia

2016
Novembro
 Zuckerberg presta esclarecimentos ao governo americano por suspeita de influência russa nas eleições

2017
Outubro 
126 milhões viram publicações impulsionadas pela Rússia na rede; posts também envolveram brexit

2018
Março 
Delator denuncia escândalo Cambridge Analytica, que envolveu dados de 87 milhões de pessoas
Abril Zuckerberg depõe ao Congresso
Junho Falha torna pública 14 milhões de publicações, mesmo com configuração restrita
Setembro  Em queda recorde na Bolsa dos EUA, Facebook perde US$ 120 bilhões em valor de mercado em um dia 
Novembro Facebook assume que foi usado para incitação a genocídio em Myamar
Dezembro Vazamento de fotos afeta 6,8 milhões; denúncia aponta para acesso ‘especial’ de empresas a dados

2019
Janeiro 
Rede é acusada de pagar a adolescentes para usar um app
Fevereiro Chega aos 15 anos, com 2,32 bilhões de usuários ativos por mês

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.