Descrição de chapéu Balanços

Volume de novas empresas na Bolsa será medida de força futura

Piora no cenário externo reduziu a demanda por papéis de novas companhias

Tássia Kastner Anaïs Fernandes
São Paulo

A sequência de altas da Bolsa brasileira ainda não foi capaz de destravar a abertura de capital de algumas companhias, um dos instrumentos de financiamento de novos projetos.

Duas empresas chegaram a flertar com IPOs (oferta pública inicial de ações, na sigla em inglês) no fim de 2018, mas a piora no cenário externo reduziu a demanda por papéis de novas companhias.

O ano passado fechou com três operações, ante dez em 2017. Abriram capital em 2018 as operadoras de planos de saúde NotreDame Intermédica e Hapvida e o Banco Inter.

Para 2019, o mercado trabalha com 30 operações, uma lista que se repete há alguns meses sem muitas novidades.

Se para chegar aos 100 mil pontos a Bolsa brasileira não deve precisar do investidor estrangeiro, o mesmo não será possível dizer sobre a abertura de capital de empresas.

“Tem uma seletividade muito grande, e o estrangeiro é muito relevante para o IPO”, diz Evandro Buccini, economista da Rio Bravo Investimentos.

Enquanto estrangeiros têm participação menor do que 50% na Bolsa, nas aberturas de capital eles costumam comprar 60% dos papéis em oferta.

Fabio Okumura, da gestora Gauss Capital, considera que há empresas saudáveis à espera de investidores.

“As que sobreviveram [à crise] fora da Bolsa passam a ser as melhores opções para os investidores”, diz.

Para isso, o cenário externo também precisa dar sinais de melhora. Isso vem acontecendo, mas ainda não com força suficiente para o fluxo de recursos entrar no Brasil.
 

00
Bovespa B3 - Diego Padgurschi /Folhapress
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.