Com aumento do diesel, Petrobras puxa alta da Bolsa

Na semana, dólar acumula alta de 1%

Júlia Moura
São Paulo

Após aumento no preço do diesel, a Petrobras voltou a se valorizar. Na quarta-feira (17), a estatal anunciou reajuste de 4,8% no preço do combustível em suas refinarias, válido a partir desta quinta (18).

As ações preferenciais (mais negociadas) da petroleira subiram 3,17%, a R$ 27,60. As ordinárias (com direito a voto) tiveram ganho de 1,92%, a R$ 30,76. O movimento impulsionou a Bolsa brasileira, que fechou em alta de 1,39%, a 94.578 mil pontos. O giro financeiro foi de R$ 15 bilhões, próximo a média diária anual.

Segundo a Petrobras, o percentual foi decidido exclusivamente pela empresa, sem interferência do governo. Desde a revogação do aumento na semana passada, investidores estiverem receosos quanto a política de preços da estatal.

A companhia também comunicou que pretende reduzir sua participação na BR Distribuidora para menos de 50%. Hoje, a estatal tem hoje 71% da distribuidora de combustíveis. 

O dólar seguiu o ânimo do Ibovespa e se manteve estável, com leve recuo de 0,07%, a R$ 3,9320. Na semana, com valorização da moeda americana no exterior e adiamento da votação da reforma da Previdência, a alta acumulada foi de 1,04%. 

Esta é a maior alta semanal desde a semana finda em 22 de março. Na data, marcada pela crise entre o governo Bolsonaro e a Câmara, a moeda americana acumulou 2,14% de ganhos.

Com o feriado desta sexta (19), a Bolsa fechou a semana nesta quinta, com ganhos de 1,83%. No mês o saldo ainda é negativo, com recuo de 0,88%. No ano, a valorização é de 7,61%.

AVIANCA

Mesmo com desistência na compra da Avianca, Azul teve valorização de 6%, a R$ 33,63. Nesta quinta, a companhia anunciou 200 novos voos semanais nos aeroportos regionais de Araraquara e Guarujá, em São Paulo e novas rotas a partir de Viracopos.

Segundo a empresa, terceira maior companhia aérea do Brasil, com os novos voos a Azul se tornará líder em número de decolagens em São Paulo.

A concorrente Gol, que segue na disputa pela Avianca, teve a maior alta da Bolsa brasileira. As ações da companhia subiram 8,57%, a R$ 23,80. Latam, também na competição, não teve grandes alterações. Listada na Bolsa de Nova York, a companhia teve leve alta de 00,55%, a US$ 10,88 (R$ 42,78).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.