Descrição de chapéu Previdência Governo Bolsonaro

Empresários estão preocupados, mas esperançosos sobre Previdência, diz Lazari, do Bradesco

Para presidente do banco, estresse na CCJ com Guedes foi tempestade e depois virá a bonança

Flavia Lima Carolina Linhares
Campos do Jordão

Os empresários dos mais diversos setores da economia estão preocupados, mas esperançosos em relação à aprovação da reforma da Previdência disse nesta sexta-feira (5) o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari. 

Lazari falou com a imprensa antes do início do 18º Fórum Empresarial Lide, que ocorre em Campos do Jordão (SP). 

“Não é um sentimento só do setor, mas dos setores. A gente está vendo aqui no Lide, conversando com empresários de todos os setores da economia brasileira, o que a gente percebe, todos nós, de qualquer setor, estamos muito preocupados, mas muito esperançosos de que a reforma da Previdência saia e não saia tão desidratada, preservando aquele número inicial que nosso ministro falou de R$ 1 trilhão”, disse Lazari.

Octavio de Lazari, presidente do Bradesco
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco - Victor Parolin/Folhapress

Segundo Lazari, a reforma da Previdência é importante não só pelo que ela traz em si, mas porque, passando, abrirá espaço para outros reformas importantes, como a simplificação tributária, desoneração fiscal e abertura comercial. 

Sobre a desarticulação inicial do governo, Lazari disse que ela faz parte da cultura de aprendizado.

“Temos que entender isso. Nós, do setor privado, toda vez que assumimos uma empresa, um negócio, uma nova área, a gente sabe que existem obstáculos a serem superados. Tem uma curva de aprendizado natural”, disse. 

Para Lazari, o “estresse” que aconteceu na CCJ [Comissão de Constituição e Justiça] com o ministro Paulo Guedes foi uma tempestade. “Dizem que depois da tempestade vem a bonança”, afirmou. 

Em relação à data da reforma de votação da reforma, Lazari disse que o desejo é que ocorresse no primeiro semestre.

“Mas mesmo que ela aconteça em junho, no máximo julho, mesmo que escorregue até agosto, não é nosso desejo o desejo é que acontecesse no primeiro semestre ainda, ainda dá pra gente capturar, mesmo que marginalmente, um crescimento da economia ainda para este ano”, disse.

Lazari disse ainda que, com a reforma da Previdência, os recursos dos investidores internacionais virão.

Na abertura do evento, Doria falou em somar forças de empresários e do setor político, do Executivo e do Legislativo, para defender o Brasil. 

O governador criticou a esquerda e defendeu a reforma da Previdência. 

"Temos que reagir sim e positivamente para que arrivistas, vigaristas, esquerdistas e aqueles que não querem o bem do Brasil saibam de viva voz, aqui de Campos do Jordão, que a maioria dos brasileiros, os brasileiros de bem, querem um país crescendo, querem a redução da miséria e da pobreza pela reforma da previdência e pela geração de desenvolvimento."

O Lide (Grupo de Líderes Empresariais) foi fundado por Doria em 2003 e reúne empresários de diversos setores. O tucano esteve à frente da entidade até 2016, quando concorreu à Prefeitura de São Paulo e foi eleito.

Doria passou o controle acionário do Lide para os filhos e, atualmente, o ex-ministro e empresário Luiz Fernando Furlan ocupa o principal cargo de direção do grupo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.