Porta-voz diz que Bolsonaro ficou 'bastante feliz' com aprovação da Previdência na CCJ

Em pronunciamento, presidente fará aceno ao Congresso e a Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Talita Fernandes
Brasília

O porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, disse que o presidente Jair Bolsonaro está "bastante feliz" com a aprovação da reforma da Previdência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, na noite de terça-feira (23). 

"O presidente está bastante feliz e reconheceu esforço do Parlamento para aprovação na CCJ da admissibilidade da PEC da Nova Previdência", disse. 

Usuário assíduo das redes sociais, até o momento o presidente não fez nenhuma publicação sobre o tema. Um pronunciamento está previsto para 20h desta quarta-feira (24), quando ele fará um aceno ao Congresso e, em especial, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

Rêgo Barros disse que o governo vê uma "grande caminhada" na tramitação do processo e que será preciso vencer os desafios que se apresentarem.

Ele não quis comentar sobre a possibilidade de haver alterações no texto. Questionado, ele disse que o presidente "se coloca ao lado do Parlamento e fará de tudo para que a proposta inicial seja aprovada".

Em sinalização de aproximação com o Congresso, o porta-voz disse que Bolsonaro entende que o Congresso "já reconheceu a importância da aprovação da reforma para as gerações futuras".

Vai ao ar às 20h desta quarta um pronunciamento gravado pelo presidente nesta quarta. Ele fará um gesto de aproximação a Maia ao agradecê-lo nominalmente pelo esforço de aprovação da proposta da reforma na CCJ. 

O discurso será divulgado em televisões, rádios e redes sociais. A mensagem é uma tentativa de melhorar a interlocução do Executivo com o Legislativo. Por isso, o presidente também faz uma deferência ao Congresso, exaltando o empenho dos parlamentares como um todo para a votação da medida.

O movimento de Bolsonaro para se reaproximar de Maia teve início no começo deste mês, quando, em evento público, o presidente chamou o parlamentar de "irmão" e fez questão de posar ao seu lado em fotografias. O aceno ocorreu após ambos trocarem críticas e Maia ter dito que não ajudaria mais na articulação da reforma.

A mudança de postura ocorreu após o presidente ter sido convencido pelo núcleo militar e pela equipe econômica que Maia é essencial no processo de aprovação da mudança no regime de aposentadorias e que um conflito entre ambos poderia ameaçar a iniciativa. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.