Dólar vai a R$ 3,96 após EUA manter taxa de juros

Moeda americana teve alta de 1% nesta quinta-feira; Bolsa recuou 0,85%

São Paulo | Reuters

O dólar chegou a R$ 3,96 nesta quinta-feira (2), após o Fed (Federal Reserve, banco central americano) sinalizar que não tem pretensão de fazer seu primeiro corte de juros em anos, contrariando algumas apostas.

Em sua decisão de política monetária anunciada na quarta, a instituição manteve, como era esperado, a taxa de juros no nível atual, mas surpreendeu investidores que trabalhavam com a possibilidade de um corte de juros ainda neste ano ao deixar claro que não há outra ação prevista que não a pausa já adotada.

O presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que não vê motivos para mudança nos juros, levando os mercados cambiais emergentes a enfraquecerem contra o dólar. Como o mercado brasileiro se manteve fechado por conta do feriado do Dia do Trabalho, a reação foi observada nesta quinta. 

"Com essas novidades, as reações nos mercados abertos na quarta-feira foram de quedas nas principais bolsas e viés levemente altista para o dólar, sendo a leitura predominante uma devolução de apostas pontuais por um corte ou por alguma sinalização de corte de juros no curto prazo", avaliou a corretora H.Commcor em nota, citando a movimentação no exterior da véspera, quando o mercado nacional permaneceu fechado por feriado.

Nesta quinta, a moeda americana teve alta de 0,94%, a R$ 3,9610. No mês de abril, a valorização é de 0,19% frente ao real.

No panorama doméstico, participantes do mercado seguem monitorando avanços na tramitação da reforma da Previdência. Na terça-feira, o presidente da comissão, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), afirmou que ainda acertará um cronograma com partidos, mas que tem como base um horizonte de votação em junho no colegiado.

"Não tem nada (no doméstico), então ficamos vulneráveis ao cenário político, a alguma declaração que eventualmente pode trazer um desconforto. Como a comissão especial começa semana que vem, não tem o que fazer a não ser esperar", disse o operador de câmbio da Advanced Corretora, Alessandro Faganello.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, acompanhou a resposta negativa ao anúncio do Fed e recuou 0,85% nesta quinta, a 95.527 pontos. O giro financeiro foi de R$ 12,2 bilhões, abaixo da média para o ano.

A bolsa brasileira operou pressionada principalmente pelo declínio dos papéis da Vale (2,31%). O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou ação civil pública contra a companhia cobrando a reparação integral dos danos causados na tragédia de Brumadinho, na qual foi pedido que a mineradora seja obrigada a apresentar garantias financeiras da ordem de R$ 50 bilhões.

A Petrobras também recuou (1,4%), em movimento alinhado ao declínio dos preços do petróleo no mercado externo. No feriado, a Chevron informou ter concluído a compra por 350 milhões de dólares da refinaria de Pasadena, no Texas, da Petrobras.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.