Descrição de chapéu Previdência Governo Bolsonaro

Liberação de emendas foi mais escancarada no governo Bolsonaro, diz Paulinho da Força

Na avaliação do parlamentar, governo não terá quórum para votar antes de agosto as mudanças

Brasília

A liberação de emendas por parte do governo de Jair Bolsonaro (PSL) em troca de apoio ao projeto de reforma da Previdência foi mais escancarada do que a feita por administrações anteriores, na avaliação do deputado Paulinho da Força (SP), presidente nacional do Solidariedade.

“Como eu estou na oposição, porque eu estou votando contra a reforma, eu não participei desse jogo que teve aí. Eu sei que teve. Agora, como foi, eu não consigo explicar, porque não participei disso”, disse.
 

O presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) conversando com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) - Pedro Ladeira/Folhapress

Questionado sobre a frase do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) de que era legítimo os deputados se empenharem para obter verbas, Paulinho concordou, mas com ressalvas.

“Eu acho que [a liberação] aconteceu em vários governos e nesse aqui parece que foi mais escancarado”, disse.

Na avaliação do parlamentar, o governo não terá quórum suficiente para votar antes de agosto as mudanças em segundo turno no plenário. Ele disse ainda que a oposição apanhou, mas também deu “alguns tapas.”

“Apanhamos um pouco, mas também demos alguns empurrões. A gente conseguiu tirar várias coisas que, do nosso ponto de vista, atrapalhava a vida das pessoas”, afirmou, citando o alívio nas regras para aposentadoria de professores e policiais. “Ou seja, não saiu o que a gente queria, mas a gente conseguiu algumas vitórias dentro dessa reforma. Acho que foi o que deu para conseguir.”

Danielle Brant, Thiago Resende , Ranier Bragon e Thais Arbex

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.