Descrição de chapéu Previdência

Presidente do Itaú avalia que declarações de Bolsonaro não atrapalham reformas

No cenário macro, Candido Bracher diz que desemprego permite crescimento sem pressão da inflação

Josette Goulart
São Paulo

A mais recente onda de declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) não deve prejudicar a aprovação das reformas, avalia o presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher. 

“O que tenho notado é que o avanço das reformas não tem sido influenciado pelas turbulências políticas”, disse Bracher em teleconferência a jornalistas ao ser perguntado sobre as declarações do presidente.  

Nos últimos dias, Bolsonaro vem atraindo críticas ao expressar suas opiniões sobre os mais diversos temas: disse que não há fome no Brasil, chamou de mentirosos os dados oficiais sobre desmatamento e emitiu opiniões preconceituosas sobre nordestinos, entre outras abordagens. 

A reforma da Previdência que foi aprovada em primeiro turno na Câmara e a votação do segundo turno é considerada uma prioridade na Casa após o recesso parlamentar, que se encerra em 06 de agosto. O avanço na tramitação é atribuído à articulação política do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

0
Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco - Adriano Vizoni-15.mar.2018/Folhapress

O Itaú espera que a reforma da Previdência seja aprovada até o fim de setembro, juntamente com a MP (medida provisória) que busca coibir fraudes no INSS. Na avaliação do Itaú, é factível a projeção de que os dois textos, quando aprovados, podem gerar uma economia superior a R$ 1 trilhão em dez anos, afirmou Bracher.

O banqueiro também está otimista em relação à reforma tributária. No entanto, criticou a eventual volta de um imposto sobre transações financeiras. Bracher disse que não é fã desse tipo de tributação porque se trata de um imposto regressivo,  que pune cadeias mais longas, já que é tributado tanto na origem quanto no destino, e prejudica também exportações.

“Mas viveremos com os impostos que nos forem apresentados”, afirmou. 

Além da aprovação da reforma da Previdência, Bracher destaca um conjunto de elementos macroeconômicos que contribui para o cenário positivo, com destaque para a questão inflacionária. Além de estar sob controle há anos, com altas apenas durante choques eventuais de oferta, a inflação apresenta no momento tendência de queda, segundo ele.

Esse novo momento cria as condições para que o país possa conviver por mais tempo com a menor taxa de juros de sua história.

Destacou ainda que o nível elevado de desemprego, hoje na casa de 12%, permite crescimento sem impacto sobre a inflação. “Quando tem fator de produção sobrando tanto, significa que podemos crescer sem pressões inflacionários”, afirmou.

“Isso deixa a situação macroeconômica do Brasil tão boa quanto nunca vi na minha carreira”, disse. Bracher tem experiência no setor financeiro, onde atua há quase 40 anos. “Tudo isso que me faz ser otimista no curto e médio prazo”. 

 No cenário internacional, preocupam os sinais de que as economias desenvolvidas possam ter dificuldades para manter um crescimento sustentado, bem como os efeitos negativos, em escala global, do conflito comercial entre China e Estados Unidos. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.