Voto ao acordo União Europeia-Mercosul não está garantido, diz deputado francês

Governo francês também exige que Brasil permaneça no Acordo de Paris

Paris | AFP

O voto dos eurodeputados franceses a favor do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul não está garantido, indicou nesta segunda-feira (1º) um deputado da formação europeia do presidente francês Emmanuel Macron. 

Após 20 anos de negociações, a União Europeia e os países do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) chegaram a um acordo de livre comércio na sexta-feira (28).

Mas as críticas foram imediatas, especialmente entre os agricultores europeus, que denunciam que esse pacto os exporá à concorrência desleal.

Presidente Jair Bolsonaro e o presidente da França, Emmanuel Macron, durante reunião do G20
Presidente Jair Bolsonaro e o presidente da França, Emmanuel Macron, durante reunião do G20 - Frederico Mellado - 28.jun.2018/ARG

"Até agora eu não vi o acordo, ninguém viu, exceto a Comissão Europeia", disse Pascal Canfin, eurodeputado da plataforma Renaissance [Renascimento] de Emmanuel Macron, falando à rádio RTL.

Portanto, "nada é garantido em termos de ratificação no Parlamento Europeu, e no que diz respeito aos 23 membros da lista do Renascimento, vamos analisar, mas o nosso voto a favor não está garantido", acrescentou.

O deputado destacou o impacto do acordo sobre o sector agrícola e disse que ainda não viu o mecanismo de salvaguarda previsto para "interromper as importações se o acordo desestabilizar os sectores europeus, especialmente os franceses".

Acordo de Paris

A França tem uma série de exigências que incluem questões ambientais e de saúde em relação ao acordo entre a União Europeia e o Mercosul, afirmou no domingo (30) a porta-voz do governo, Sibeth Ndiaye. 

Em declarações à emissora LCI, Ndiaye disse que "o importante é saber em detalhes o conteúdo" desse acordo de livre-comércio entre os países dos blocos, sobretudo para setores frágeis, como o açúcar e a carne. 

"Temos uma série de exigências, em termos de saúde e meio ambiente", continuou a porta-voz, citando "a exigência de que o Brasil, em particular, permaneça no Acordo de Paris" sobre o clima. 

"É normal que os eurodeputados [...] estejam atentos e monitorizem os detalhes deste acordo porque trará mudanças profundas" para a agricultura europeia, acrescentou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.