Bolsonaro vai promover avião militar da Embraer em países árabes

Cargueiro KC-390 é estrela de pacote a ser ofertado à Arábia Saudita e aos Emirados

São Paulo

Durante seu giro por países árabes, que começa neste sábado (26), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) levará para seus anfitriões propostas de negócios militares. A estrela do pacote é o avião de transporte multimissão KC-390, da Embraer.

Primeiro KC-390 da Força Aérea Brasileira é apresenta com escolta de dois caças F-5
Primeiro KC-390 da Força Aérea Brasileira é apresenta com escolta de dois caças F-5 - Pedro Ladeira - 4.set.2019/Folhapress

O cargueiro é a grande aposta da nova Embraer, empresa de defesa, segurança e aviação executiva que sairá do acordo pelo qual a Boeing comprou a linha de jatos comerciais da fabricante paulista.

Os americanos pagarão US$ 4,2 bilhões (R$ 16,8 bilhões nesta sexta, 25) pelo controle de 80% da agora Boeing Brasil-Commercial, que deverá ser formalizada no começo de 2020, a depender de aprovação de diversos órgãos regulatórios.

A primeira parada de Bolsonaro é nos Emirados Árabes Unidos. A minúscula e riquíssima monarquia é um exemplo do tipo de país que a Embraer tem em mente para iniciar a venda de seu avião.

Isso porque ele opera uma frota pequena, de quatro unidades, de uma versão mais antiga do principal concorrente do KC-390, o venerando Lockheed C-130 Hércules.

Avião no ar desde os anos 1950, com várias atualizações, ele carrega 19 toneladas de carga —o brasileiro leva até 26 toneladas e é em teoria mais eficiente do ponto de vista econômico.

Além disso, os Emirados têm sete Boeing C-17 Globemaster, gigantes quadrimotores a jato que levam até 75 toneladas. Pessoas familiarizadas com a estratégia da Embraer creem que ofertar o KC-390 como uma solução de complementaridade moderna para quem opera aviões maiores pode amplificar seu potencial de venda.

O país também tem 120 blindados de transporte de pessoal Urutu, fabricados pela extinta empresa brasileira Engesa, que estão obsoletos. Especula-se no mercado que o Brasil poderia ganhar um contrato para fornecer seu novo produto na área, o Guarani, cujo programa doméstico sofre atrasos de entrega devido a cortes orçamentários.

Mas é na última escala de Bolsonaro que está a mina de ouro regional: a Arábia Saudita.

Dona do terceiro maior orçamento militar do mundo em 2018 (US$ 82,9 bilhões, ou R$ 330 bilhões hoje) em termos nominais e o segundo (10,8%) em porcentagem do PIB gasto com armas, a monarquia tem uma grande frota de Hércules —33 aviões de transporte, mais 2 de reabastecimento aéreo.

Todos são, a exemplo do que ocorre nos Emirados, variantes do modelo H, o aparelho americano já está na versão J. Assim, são o alvo mais elementar mirado pelo KC-390. Nos dois países o avião já foi apresentado, durante a campanha para sua certificação.

A Arábia Saudita já opera equipamento militar brasileiro, 60 baterias do lançador de foguetes de alta saturação Astros-2, fabricado pela paulista Avibrás. Há a esperança, entre negociadores brasileiros, de alguma nova encomenda.

Já o terceiro país árabe a ser visitado pelo presidente, entre as duas outras viagens, não é um cliente óbvio. Trata-se do Qatar, país que está rompido com seus vizinhos pela ligação política com os maiores rivais das outras monarquias do Golfo Pérsico, os iranianos.

Além disso, os quatro Hércules que o Qatar voa são do modelo mais recente. O país também tem oito C-17.

O Brasil já foi um grande ator no mercado de armas do Oriente Médio, que tem dois elementos essenciais para a atividade frutificar: dinheiro sobrando e conflitos. Nos anos 1970 e 1980, blindados da Engesa abundavam nas forças de Saddam Hussein na guerra Irã-Iraque. Os iraquianos também utilizavam o Astros. 

O KC-390 já foi citado por Bolsonaro durante sua passagem pelo Japão, onde participou da cerimônia de entronização do imperador Naruhito nesta semana.

Em uma postagem no Twitter, ele disse que encontrou-se com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, e que foi aventada a venda do modelo para o país europeu.

Também disse que Kiev tem interesse em outro produto de exportação importante da Embraer, o avião de ataque leve e treinamento Super Tucano.

Por ora, o Brasil é o principal comprador do KC-390, tendo encomendado 28 unidades por R$ 7,2 bilhões. A exportação irá aos poucos pagar compensação pelos R$ 5 bilhões investidos pelo governo no desenvolvimento da aeronave: 3,2% em royalties a cada negócio fechado.

O primeiro contrato foi assinado com Portugal, que comprará cinco aviões por 827 milhões de euros (R$ 3,7 bilhões), além de um simulador de voo e suporte técnico por 12 anos.

O negócio é estratégico porque o país é parte da Otan, a aliança militar ocidental, que tem no uso de equipamentos em comum um princípio —e há pelo menos 137 Hércules em graus diferentes de velhice operacional, entre seus membros.

Até a formalização da venda para a Boeing, a Embraer ficará com toda a receita auferida de negócios com o KC-390.

Depois, o avião será montado e vendido por uma joint-venture no qual os brasileiros têm 51% do controle e os americanos, 49%. A ideia é usar a enorme capilaridade da Boeing, presente em 20 países, para alavancar as vendas do avião.

Embraer e representantes do governo não comentaram as eventuais negociações.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.