Ford encerra nesta quarta a produção na fábrica de São Bernardo do Campo

Último caminhão deverá deixar a linha de montagem por volta das 14h; 650 funcionários deverão ser demitidos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O último caminhão produzido pela Ford no Brasil sairá da linha de produção da montadora em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, nesta quarta-feira (30).

A icônica fábrica irá fechar depois disso, encerrando as atividades depois de mais cinco décadas de atividade nas mãos da Ford.

A empresa começou a produzir ali em 1967, quando comprou o controle da Willys-Overland do Brasil.

A montadora anunciou o fechamento da fábrica em fevereiro, acompanhando uma decisão mundial da empresa de não fabricar mais caminhões. No mês de julho, foi encerrada a produção do Fiesta.

A previsão, de acordo com o Sindicado dos Metalúrgicos do ABC, é que o último caminhão seja finalizado por volta das 14h. Ao fim do turno de trabalho, às 16h20, o maquinário deixará de operar e 650 metalúrgicos encerrarão a jornada pela última vez.

As demissões deverão começar a ser homologadas na quinta-feira (31), em turmas de cem trabalhadores por dia.

Outros mil funcionários do setor administrativo ainda seguirão no trabalho até março, quando deverão ser deslocados para São Paulo.

Os últimos informes foram apresentados pelo sindicato na manhã desta terça (29).

A data do fechamento da fábrica chega sem uma solução para a unidade. Em setembro, a Caoa iniciou processo de diligências para efetuar a compra, em uma negociação iniciada meses antes. Até o governador paulista, João Doria (PSDB), chegou a convocar a imprensa para anunciar o acordo, que no fim não foi fechado. As dicussões ainda não terminaram.

Em nota, a Ford confirmou o encerramento da produção e informou que só falará oficialmente sobre o assunto nesta quarta.

O sindicato do ABC negociou pacotes de demissões voluntárias e iniciou conversas com a Caoa, na expectativa de que uma nova fábrica absorvesse parte da força de trabalho na região. Os metalúrgicos chegaram a aprovar uma nova tabela de remunerações que seria equivalente a 80% do que vem sendo pago pela Ford.

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), disse ter conversado com o presidente do conselho de administração da Caoa, Carlos Alberto Oliveira Andrade ainda nesta terça, de quem ouviu que o negócio com a Ford não está fechado.

A dificuldade está em viabilizar o crédito para a aquisição. “Não temos plano B, vamos acreditar que até sexta-feira (1º) o negócio saia”, afirmou.

Oficialmente, a Caoa diz não ter informações sobre a negociação. Procurado, o governo de São Paulo informou que não comentaria.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.