Descrição de chapéu Reforma do Estado

Proposta do governo libera R$ 220 bi de fundos para cortar gasto com juro

Guedes quer abater dívida pública; medida integra plano para flexibilizar Orçamento

Brasília

O governo propôs ao Congresso que o dinheiro parado em fundos públicos seja liberado e usado para reduzir os gastos da União com juros. Esse montante é estimado em R$ 220 bilhões.

Na semana passada, a Folha noticiou a intenção do ministro Paulo Guedes (Economia) de transferir esses recursos para o pagamento de parte da dívida pública.

Os fundos públicos especiais são uma espécie de conta alimentada por recursos vinculados a uma receita específica, como tributos, royalties ou receitas de empresas beneficiárias de incentivos fiscais. Essas verbas têm direcionamento carimbado para projetos da área de cada fundo, como saúde, educação e ambiente.

Hoje existem 281 fundos no país, como o FGPC (de Garantia para a Promoção da Competitividade), o Fust (de Universalização dos Serviços de Telecomunicações), o Finam (de Investimento da Amazônia) e o Funpen (Penitenciário Nacional).

O time de Guedes avalia que esses fundos engessam o Orçamento público. Por isso, o Congresso não tem o poder de decidir como o dinheiro deve ser usado.

Membros do governo ainda sustentam que é comum haver dificuldade para gastar esse dinheiro, que acaba represado e sem uso, enquanto outras áreas carecem de investimento.

A área econômica levantou que há R$ 220 bilhões em estoque nos fundos que considera estarem subutilizados ou terem função que não é prioritária.

A ideia do governo é que esse montante seja liberado para o abatimento da dívida pública, o que reduziria os gastos com juros. No ano passado, foram desembolsados R$ 379 bilhões com esse tipo de despesa.

A dívida pública está em trajetória de alta e ultrapassou R$ 4 trilhões neste ano. A liberação de R$ 220 bilhões equivale, portanto, a cerca de 5% da dívida pública federal.

Extinção

O projeto prevê ainda a extinção da maioria dos fundos.

Caberá ao Congresso avaliar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) elaborada por Guedes e entregue ao Legislativo pelo presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira (5).

Guedes defende que, após a liberação do estoque, novos recursos serão aplicados prioritariamente nos programas de erradicação da pobreza e de reconstrução nacional.

A PEC faz parte do plano Mais Brasil, apresentado pelo governo nesta terça.

As medidas visam a flexibilização do Orçamento, aumento dos repasses para estados e municípios e ações emergenciais para o corte de despesas públicas, como a suspensão de concursos e novos benefícios tributários. O pacote começará a tramitar pelo Senado.

Também propõe a extinção de municípios com baixa arrecadação.

Desde o início da gestão de Guedes, o foco das medidas apresentadas é a promoção de um ajuste fiscal para reequilibrar as contas do governo e permitir uma redução da dívida do país.


LEIA MAIS

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.