Descrição de chapéu

Êxito da fusão entre FCA e PSA depende de resultados na América do Sul

Operações na região estão sujeitas a diferentes legislações

São Paulo

Confirmada a fusão entre os grupos FCA Fiat Chrysler e PSA Peugeot Citroën, tem início o período de definição dos produtos. A nova empresa tem um portfólio pautado em carros compactos urbanos, utilitários esportivos e veículos leves de carga. A América do Sul é parte importante nessa estratégia.

As operações na região estão sujeitas a legislações ambientais e de segurança menos exigentes que as aplicadas nos mercados europeus, na América do Norte e mesmo na China, onde há maior pressão para eletrificar veículos. Essa mudança de matriz energética implica altos investimentos com retorno a longo prazo.

Recuperar vendas no Brasil e na Argentina, maiores mercados sulamericanos, significa melhorar a rentabilidade. A maior parte dos veículos propostos para o continente utiliza motores já desenvolvidos e bem aceitos, com ganho de eficiência ao conciliar turbo e etanol.

Logos da Fiat e da Peugeot são vistos um do lado do outro
Logos da Fiat e do Peugeot - Regis Duvignau/Reuters

Investimentos recentes feitos pelas montadoras envolvidas na fusão as colocam em posições confortáveis para a renovação de veículos. A partir de 2020, o grupo PSA vai produzir modelos sobre a nova plataforma CMP no Brasil e na Argentina. Entre 2020 e 2022, serão lançadas as novas gerações de modelos Peugeot (208 e 2008) e Citroën (C3 e Aircross).

O grupo FCA obteve êxito com a fábrica de Goiana (PE), de onde saem os produtos mais lucrativos do grupo na região: a picape Fiat Toro e os Jeep Renegade e Compass. Em Betim (MG), a linha de montagem já está pronta para receber a nova Strada, líder de vendas no segmento de veículos leves voltados para o trabalho.

Os planos do grupo FCA, que aplica R$ 14 bilhões na América do Sul em um ciclo que vai até 2022, incluem o lançamento de novos veículos utilitários. Com a fusão, é provável que alguns desses carros voltem à fase de desenvolvimento para aproveitar as reduções de custos fabris propiciados pela plataforma CMP do grupo PSA.

Pode parecer estranho que um carro da Jeep utilize uma base desenvolvida pela Peugeot, ou vice-versa. Porém, também era inimaginável em um passado não muito distante que um automóvel da alemã Opel, que já pertenceu à General Motors, tivesse partes em comum com um hatch francês. É o que ocorre agora com a nova geração do Corsa europeu, que já foi vendido no Brasil com a marca Chevrolet.

O lado preocupante da fusão está nos empregos. O setor automotivo passa por um processo de reestruturação global, com otimização dos métodos de produção e redução dos quadros de funcionários. É cedo para saber o efeito disso nas fábricas de FCA e PSA na América do Sul, pois qualquer movimento depende de como o mercado irá se comportar em 2020.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.