Queda nas exportações faz produção de veículos cair 7,1% em novembro

No acumulado do ano, há alta de 7,2%, e previsão é de crescimento em 2020

São Paulo

O mercado interno vem sustentando a produção de veículos, enquanto as exportações seguem em baixa.

Segundo dados divulgados nesta quinta (5) pela Anfavea, associação que reúne as montadoras instaladas no Brasil, a produção em novembro caiu 7,1% na comparação ao mês de novembro de 2018, mas os emplacamentos aumentaram 4,9% no mesmo período.

Em relação a outubro, a produção caiu 21,7% e as vendas tiveram recuo de 4,4%.

Apesar de novos contratos de montadoras com o México e países africanos, o impacto da recessão na Argentina derrubou os envios de veículos para o exterior. A queda acumulada é de 33,2% em relação a 2018.

Espera-se que a Argentina inicie a recuperação de seu mercado interno em 2020. Qualquer crescimento parecerá percentualmente vultoso, pois as vendas de veículos no principal parceiro comercial do Brasil acumula queda de 44% entre janeiro e outubro na comparação com 2018.

Com a estabilidade no mercado interno, a entidade começa a olhar para 2020.

Vista aérea de carros do pátio da montadora alemã Volkswagen, em São José dos Campos, em São Paulo - Roosevelt Cassio - 7.jan.15/Reuters

Os 2,77 milhões de veículos produzidos entre os meses de janeiro e novembro representam uma alta de 2,7% na comparação com igual período de 2018. O número inclui carros de passeio, veículos comerciais leves, ônibus e caminhões

No mercado nacional, as vendas de carros de passeio e veículos comerciais leves ultrapassaram dois milhões de unidades entre janeiro e novembro. Com isso, acumulam alta de 7,2% na comparação com o mesmo período de 2018.

Com 118.164 emplacamentos, o setor de pesados registra crescimento de 36,9% em 2019. Os dados são da Fenabrave, entidade que representa as revendedoras de veículos.

Em relação a 2020, a Anfavea mantém o otimismo e se baseia em uma pesquisa. O estudo feito pela entidade em parceria com o portal Webmotors, do banco Santander, mostra que 85% dos 6.727 entrevistados pretende trocar de carro ou adquirir um em 2020.

Vale dizer que esses entrevistados visitaram um site especializado na compra e venda de carros, o que já demonstra interesse no negócio. Ainda assim, o resultado é reflexo do envelhecimento da frota.

Consumidores habituados a renovar seus veículos s cada dois ou três anos adiaram a troca devido ao período de crise. Agora, pretendem revender seus automóveis que já estão fora da garantia e adquirir um novo modelo, seja zero-quilômetro ou seminovo.

A redução das taxas de juros também influencia o aumento das vendas, embora o setor não acompanhe de imediato a queda da taxa Selic. Os bancos começam a oferecer alternativas mais atraentes para seus clientes e a expandir a oferta de financiamento.

De acordo com o departamento financeiro da Volkswagen, o crédito destinado ao setor automotivo cresce 31% entre 2016 e 2019 e deve chegar a R$ 207,8 bilhões em 2020.

Mas há preocupações com a possível alta nos custos de produção devido ao retorno da taxação sobre o aço exportado para os EUA por Brasil e Argentina. “O impacto é na veia, não tem como evitar a alta dos custos. Cada fabricante está procurando um remédio para essa dor”, diz Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.