Mansão de Edemar Cid Ferreira, do falido Banco Santos, vai a leilão pela 5ª vez

Imóvel chegou a ser arrematado por R$ 9 mi, mas Justiça não aceitou valor

São Paulo

A casa que pertenceu ao banqueiro Edemar Cid Ferreira, do falido Banco Santos, será leiloada novamente. 

Ela havia sido vendida em leilão judicial realizado em outubro por R $ 9 milhões, mas o juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de SP, não aceitou o valor. 

Segundo ele, veio aos autos após o término do leilão um lance de R$ 10 milhões. “Indicando que há possibilidade de maximização do valor do ativo. O objetivo da falência é satisfazer os credores, realizando alienações com o maior proveito possível, e a quantia de R$ 9 milhões está muito abaixo do que se esperava para o imóvel em questão”, diz o magistrado em sua decisão. 

A casa é parte da massa falida do banco —que sofreu intervenção do Banco Central em 2004, após um rombo de R$ 2,2 bilhões— e os valores serão revertidos para o pagamento dos credores.

O novo leilão ocorre do dia 11 de fevereiro até o dia 18. A Justiça estipulou lance mínimo de R$ 10 milhões. 

A avaliação inicial da casa era de R$ 110 milhões, valor que depois foi reduzido para R$ 76,8 milhões. Mas os credores do banco não aceitavam vender por menos de R$ 94 milhões.

“Nós acreditamos que com o novo leilão o imóvel poderá ser vendido por um valor superior a R$ 20 milhões”, diz Vânio Aguiar, administrador da massa falida. 

Já foram realizados quatro leilões numa tentativa de vender o imóvel, mas sem sucesso.

Em maio, no terceiro leilão, o imóvel chegou a ser arrematado por R$ 23,3 milhões. Mas o comprador, que não teve o nome revelado, não depositou o valor dentro do prazo estipulado pelo leiloeiro.

Construída entre 2000 e 2004, a casa, na rua Gália, no Morumbi (região oeste de São Paulo), foi projetada pelo arquiteto Ruy Ohtake, que recebeu R$ 1,15 milhão pelo serviço. O decorador norte-americano Peter Marino recebeu outros R$ 8,86 milhões.

O imóvel tem duas galerias de arte, com pé-direito de nove metros, uma biblioteca e um heliponto.

Banheiros de vidro com tecnologia que muda de cor quando estão ocupados, mármores importados da França e elevadores pneumáticos também contribuíram para elevar o preço do imóvel, que custou ao ex-banqueiro mais de R$ 140 milhões.

Além do terreno de 8.000 metros quadrados e um complexo de cinco andares que ocupa uma área de 4.100 metros quadrados, o comprador também vai levar 11 obras de arte, que foram comercializadas junto com a casa.

São peças como uma mesa de mogno de 1.850, uma parede de azulejos do século 18, duas esculturas da cultura maia, que vieram da América Central, uma escultura chinesa e um desenho projetado por Burle Marx.

A intervenção do Banco Central no Banco Santos ocorreu no início de 2004, após um rombo de R$ 2,2 bilhões. ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.