Chineses compram tapetes de ioga, videogames e preservativos enquanto coronavírus os mantém em casa

Comércio eletrônico continua em alta enquanto vendas físicas despencam

Sophie Yu Joyce Lee
Pequim e Seul | Reuters

À medida que a epidemia de coronavírus mantém centenas de milhões de chineses encerrados em casa, eles fazem compras pela internet para afastar o tédio com jogos para console Switch da Nintendo, tapetes para ioga, livros e preservativos —os quais mostraram grandes aumentos nos pedidos.

Muitos shopping centers e lojas continuam fechados, e as vendas de carros e smartphones estão despencando, mas a demanda por produtos de saúde, entretenimento e cosméticos está animada, segundo dados do gigante do comércio eletrônico Alibaba Group —um potencial benefício para marcas populares como Lululemon e L'Oreal.

O game Ring Fit Adventure, da Nintendo, para o console Switch, que combina exercício físico com "role playing", tem sido um astro de vendas. Elas mais que quadruplicaram nas duas semanas até 20 de fevereiro, em comparação com os níveis normais, de acordo com a Alibaba.

"Nenhum medicamento realmente funciona contra o vírus até agora. Tudo o que você pode fazer é contar com sua própria saúde", disse Guo Yan, empregado de escritório de 38 anos, que recentemente comprou o jogo. "Quero me exercitar em casa para ficar saudável e em forma."

As vendas de tapetes para ioga e máquinas de remo também subiram, até 250% durante um período de duas semanas em fevereiro, em relação ao ano anterior, disse ele, enquanto as vendas de livros saltaram 60% no mercado Tmall da Alibaba na semana que começou no dia 10, em comparação com a semana anterior.

Talvez contraintuitivamente, já que as autoridades impuseram regras para que se usem máscaras fora de casa, as vendas de batom cresceram sete vezes para algumas marcas, enquanto as de sombra para olhos aumentaram 150%, de acordo com a Alibaba. O grupo não especificou o período dos saltos de vendas ou as marcas.

Lu Zhenwang, CEO da Wanqing Consulting, com sede em Xangai, disse que enquanto os volumes globais de e-commerce caíram durante o surto, houve algumas exceções destacadas, como tapetes de ioga e cosméticos.

"As pessoas agora têm muito tempo disponível e estão entediadas em casa", disse ele, acrescentando que as mulheres estão tendo a oportunidade de praticar suas técnicas de maquiagem.

Outros sites de comércio eletrônico chineses também tinham alguns produtos não tradicionais entre os mais vendidos. O Pinduoduo notou que kits para corte de cabelos e preservativos estavam entre seus dez itens mais populares, enquanto a JD.com disse que as vendas de equipamentos de cozinha subiram sete vezes.

Na Coreia do Sul, que tem registrado um aumento nos casos de coronavírus, as encomendas de artigos relacionados à saúde, tais como ginseng vermelho, probióticos e vitaminas aumentaram 143% nos primeiros 20 dias de fevereiro, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Lotte Home Shopping.

As vendas de pequenas máquinas de lavar também saltaram, pois as pessoas evitam as lavanderias, mais de seis vezes de 1 a 19 de fevereiro em comparação com o mesmo período no mês passado, de acordo com a rede de supermercados sul-coreana Homeplus Co Ltd.

O panorama para os gastos do consumidor, entretanto, é sombrio pois o surto mantém grande parte da população da China em quarentena ou simplesmente desencoraja as pessoas a se aventurarem fora de casa. Muitas empresas ainda não voltaram à velocidade máxima, pois a quarentena e restrições de viagem causam escassez de trabalhadores e de suprimentos.

Artigos caros na China foram duramente atingidos, com as vendas de smartphones caindo 36,6% em janeiro e as vendas no varejo de automóveis de passageiros em queda de 92% na primeira metade de fevereiro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.