Fim de acordo entre Boeing e Embraer já era esperado, diz secretário

Carlos da Costa afirma que, do ponto de vista comercial, cancelamento é compreensível, desde que tenha sido dentro das regras

Brasília

O fracasso do acordo entre Boeing e Embraer, que abriu uma batalha entre as duas empresas, já era esperado, afirmou à Folha o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa.

A pasta acompanha os desdobramentos do cancelamento da compra da área de aviação civil da Embraer pela companhia americana.

O secretário explica que o negócio foi fechado quando a empresa brasileira valia mais de US$ 3 bilhões (R$ 17 bilhões, na cotação de sexta), com avaliação pós-fusão superior a US$ 4 bilhões (R$ 22,6 bilhões). Após a pandemia do novo coronavírus, porém, o valor de mercado da empresa desabou para cerca de US$ 1 bilhão (R$ 5,6 bilhões).

“Fizemos uma avaliação preliminar, já que não temos acesso aos termos que a Boeing alega não terem sido cumpridos pela Embraer. Essa desistência da Boeing já estava precificada no mercado”, disse.

Logo da Boeing e da Embraer - Eric Piermont/AFP

Para ele, do ponto de vista comercial, o movimento dos americanos é compreensível. Diante da forte perda de valor da Embraer, sai mais barato para a Boeing alegar um problema e pagar uma multa de rescisão do que prosseguir com o negócio.

Costa ressalta que a Boeing passa por problemas financeiros que foram determinantes para o fim do acordo: a paralisação da produção do modelo 737 MAX por problemas técnicos que geraram acidentes fatais e a queda de demanda mundial de aviões pela pandemia do coronavírus.

O secretário acredita que a principal questão a ser respondida agora é se a rescisão foi feita dentro das regras. Isso pode mudar totalmente o rumo do caso.

Segundo ele, o cancelamento por parte da Boeing gera uma multa de US$ 100 milhões (R$ 565 milhões), o que valeria a pena para a fabricante americana. Se a decisão partisse da Embraer, a brasileira pagaria US$ 75 milhões (R$ 424 milhões). Entretanto, se for comprovado que a Boeing feriu termos do acordo, pode haver um pedido de reparação de danos além da multa já prevista em contrato.

Em meio à baixa no mercado de aviação mundial, um dos mais afetados pela pandemia, o secretário afirma que a Embraer ainda viverá mais dois ou três anos de dificuldades. Ele pondera que alguns fatores jogam a favor da companhia, como o real desvalorizado e a importância da área de defesa da empresa, que é menos afetada pela crise.

“O momento agora é de apoiarmos uma indústria nacional, reconhecer a companhia extraordinária que é a Embraer, muito competitiva, mas quem atua em um mercado que vai sofrer muito”, disse.

Embora o governo seja acionista minoritário da Embraer e tenha uma ação especial que dá direito a veto em operações, ele avalia que o fracasso do acordo não gera impacto direto à União. “Não é pela participação do governo. É pela importância da Embraer para o Brasil”.

O secretário ressalta que a companhia é estratégica para o país e que qualquer nova tentativa de parceria comercial precisa ser avaliada com cuidado.

“É uma empresa que tem ativos intelectuais, tecnologias e posicionamento estratégico. Precisa continuar sobrevivendo, mas qualquer decisão deve levar em consideração também os interesses do país. Não dá para a gente só olhar o quanto ela vale e quem paga mais”, disse.

No sábado (25), foi oficializado o cancelamento da compra da área de aviação civil da Embraer pela Boeing, o que teria sido o maior negócio aeroespacial da história brasileira.

Ao anunciar o cancelamento da operação, a Boeing afirmou ter rescindido o contrato porque a fabricante brasileira não teria cumprido todas as suas obrigações para executar a separação da sua linha de aviões regionais.

A Embraer divulgou nota acusando a Boeing. "A Embraer acredita firmemente que a Boeing rescindiu indevidamente o MTA (Acordo Global da Operação) e fabricou falsas alegações", diz o texto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.