Setor biomédico cresce 90% em Singapura, centro de gigantes farmacêuticos

País é um dos únicos no mundo que mais exporta do que importa produtos voltados para a área

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Martin Abbugao
Singapura | AFP

A forte demanda mundial de medicamentos movimentou a economia de Singapura que, muito afetada pela pandemia de Covid-19, sofre a pior recessão de sua história.

Com mais de cinquenta fábricas, Singapura se tornou um renomado centro dos gigantes farmacêuticos, como a americana Pfizer, a suíça Roche, a britânica GlaxoSmithKline e a japonesa Takeda.

Segundo o analista Rajiv Biswas, da consultoria IHS Markit, Singapura desempenha um papel importante na rede de abastecimento da indústria farmacêutica mundial.

Em 2020, "os governos e as empresas do setor privado constituíram reservas de medicamentos essenciais por causa dos graves transtornos registrados nas redes de fornecimento de inúmeros países durante a pandemia", explicou.

Uma bioquímica em um laboratório de controle de qualidade da Takeda, em Singapura - Roslan Rahman/AFP

Os dados mostram o forte crescimento deste centro de conexões: a fabricação de produtos para o setor biomédico, que inclui os medicamentos, registrou em setembro um aumento interanual de 90% em sua produção.

As exportações superaram até mesmo as expectativas em boa parte do ano, estimuladas pelos envios de medicamentos. No entanto, caíram em outubro e novembro.

Embora o desenvolvimento das vacinas tenha chamado praticamente toda a atenção, a forte demanda de medicamentos para asma e epilepsia representou um grande apoio para os grandes laboratórios farmacêuticos de Singapura, segundo analistas consultados pela agência de notícias AFP.

Um empurrão mais que bem-vindo, depois que a economia do país caiu mais de 13% no segundo trimestre devido às medidas adotadas para conter avanço da Covid-19.

Com o fechamento das fronteiras, o setor do turismo foi duramente atingido e o número de turistas passou de 1,7 milhão em janeiro para 13.400 em outubro.

A Singapura, que conseguiu controlar a propagação do vírus com uma rigorosa política de testes e rastreamento de infectados, registrou 58 mil casos e 29 mortes por Covid-19.

O campo da biomedicina, que inclui a fabricação de dispositivos como os marca-passos, emprega mais de 24 mil pessoas e representa cerca de 20% do setor manufatureiro, de acordo com a Fitch Solutions.

Com 5,7 millones de habitantes, Singapura é um dos poucos países do mundo que exporta mais produtos farmacêuticos de que importa. Em 2019, suas exportações renderam 66 bilhões de euros (R$ 411,6 bilhões), enquanto as importações foram da ordem de 25 bilhões de euros (R$ 155,9 bilhões), segundo a Fitch.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.