Eleva, de Lemann, e Cogna, dono das marcas Anglo e Pitágoras, fazem acordo bilionário

Transação envolve compra de 51 escolas da Cogna; negociação ainda depende de aval do Cade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

A Cogna, gigante da educação privada, anunciou um negócio bilionário com o Eleva Educação, que tem entre seus acionistas o empresário Jorge Paulo Lemann. As empresas afirmam que, se concluída, a operação será o maior acordo comercial de educação básica do Brasil.

O acordo entre os grupos prevê que a Vasta Educação, divisão da Cogna voltada a empresas, compre o sistema de ensino do Eleva por R$ 580 milhões.

O Eleva, por sua vez, vai adquirir 51 escolas da Saber, marca de educação básica da Cogna, por R$ 964 milhões —R$ 625 milhões em dinheiro e R$ 339 milhões em debêntures conversíveis em ações, caso o Eleva realize IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês).

Os valores da transação estão sujeitos a ajuste pós-fechamento em função da variação de receita de 2021.

O negócio ainda precisa ser submetido para avaliação pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Jorge Paulo Lemann, fundador e presidente do conselho da Fundação Lemann
Jorge Paulo Lemann, fundador e presidente do conselho da Fundação Lemann - Bruno Santos - 12.fev.2019/Folhapress

A lista de escolas que o Eleva irá comprar da Saber Educação inclui Colégio pH, Centro Educacional Leonardo da Vinci, Colégio Lato Sensu, Sigma, Anglo 21, Anglo Alphaville, CEI (Natal), Colégio Integrado, Escola Santi, Colégio Visão, Colégio Pitágoras, Centro Integrado de Ensino (CIE), Colégio Maxi, NeoDNA, Escola Chave do Saber, Motivo e Colégio do Salvador. O grupo irá assumir as operações dos Colégios Embraer.

As marcas Anglo, pH e Pitágoras continuarão sendo da Cogna, mas o Eleva passará a ter direito de usá-las nesses colégios.

Com a negociação, o Eleva Educação passará a ter 120 mil alunos e se consolidará como a maior rede de educação básica do país. A plataforma de ensino do Eleva será licenciada para a Vasta até o final de 2023, quando as duas empresas assinarão acordo comercial de longo prazo.

A partir desta data, a Vasta, da Cogna, se tornará parceira exclusiva do sistema de ensino de todas as escolas do Eleva nos dez anos seguintes. A negociação inclui uso do sistema de ensino em escolas atuais, unidades da Saber e novas escolas que venham a ser abertas ou adquiridas nesse período, com exceção da Escola Eleva, Gurilândia e Os Batutinhas.

Com a compra da plataforma de ensino do Eleva, a Vasta passará a atender aproximadamente 1,5 milhão de alunos em mais de 4.600 mil escolas.

O Eleva Educação, maior grupo de escolas privadas do país, tem o fundo de investimentos Gera Venture, de Jorge Paulo Lemann, como acionista controlador, e a empresa americana Warburg Pincus como acionista relevante.

O grupo Eleva abrirá em 2021 sua terceira “unidade global'', que compõe um grupo de escolas de alto padrão, bilíngues e em tempo integral voltadas à formação do “cidadão global”.

O presidente-executivo da Vasta, Mário Ghio, disse em nota que a negociação é um movimento fundamental por “estabelecer uma parceria de longo prazo com a maior rede de escolas privadas do país e crescer organicamente com o Eleva Educação”.

O presidente-executivo da Cogna afirmou em nota que a transação é um passo importante na transformação digital da empresa. “Fortaleceremos ainda mais nosso ecossistema de plataformas”.

Para Bruno Elias, presidente-executivo do Eleva Educação, a aquisição é uma forma de investimento na atividade principal do grupo.

“O Eleva Educação nasceu com escolas”, afirma. “O mercado é enorme e ainda muito fragmentado. Ainda temos muito espaço para conquistar no Brasil”, disse em nota.

RAIO-X DO GRUPO COGNA NO 3º TRIMESTRE DE 2020

Lucro líquido - R$ 1.292.036
Ebitda - R$ 610.048
Número de alunos - 2,4 milhões (1 milhão diretos e 1,4 milhão por meio de instituições parceiras)
Empresas do grupo - Kroton, Platos, Saber, Vasta e Somos Educação
Principal concorrente - Yduqs

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.