Clubes de assinatura levam semente para quem quer horta em casa

Kits vêm com adubos e instruções de cuidado para cada tipo de planta

Horta da Isla
Horta da Isla - Divulgação
 
Fernanda Reis
São Paulo

Primeiro, vieram os serviços de entrega de orgânicos em casa. Agora, os clubes de assinatura querem não só dar a planta, mas ensinar a plantar.

Desde o ano passado, empresas mandam a seus clientes sementes, adubos e instruções de cuidado que, dizem, podem ser seguidas até por quem mata cactos.

A ideia de oferecer esse serviço nasceu de conversas com consumidores nas redes sociais, conta Andrei Santos, diretor de planejamento da Isla, que vende sementes há 64 anos. 

A empresa notou que havia um público urbano, sem conhecimentos de agricultura, que gostaria de ter hortas em casa. Criou, então, os planos de assinatura, que começaram a ser oferecidos neste ano.

Há dois kits: num deles, os clientes recebem a cada dois meses caixas com sementes, adubos e vídeos com dicas. No outro, são quatro caixas anuais. 

Os produtos variam de acordo com a época do ano e a região em que o cliente mora. Há opções de frutas, legumes, temperos e flores. Já na Quintal Urbano, empresa gaúcha criada no ano passado, o foco está nas plantas alimentícias.

Designer de produto, Márcia Carneiro Luiz começou a trabalhar com plantas ao planejar uma horta como trabalho de conclusão de curso. Depois da experiência, montou a Quintal Urbano com um sócio.

Após entrevistar potenciais consumidores, eles viram que as pessoas não sabiam onde comprar as sementes das espécies que queriam. O kit da empresa vem com instruções de cultivo e um brinde, como uma pá ou um borrifador.

A logística é um desafio. As entregas da Isla são feitas pelo correio e o custo do frete é alto, diz Andrei. Por isso, a Quintal Urbano só opera em Porto Alegre —Márcia leva os kits de carro. 

As empresas não revelam quantidade de assinantes ou faturamento. Mas, segundo Andrei, os números vêm crescendo. No caso da Quintal Urbano, a operação ainda é pequena, afirma Márcia. “É um processo praticamente artesanal.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.