Incerteza em relação ao futuro leva empresários à exaustão

Empreendedores se sentem pressionados a encontrar soluções para a crise

São Paulo

Na pandemia, a preocupação com a sobrevivência da empresa e o aumento do volume de trabalho na busca por soluções têm levado os empresários à exaustão.

Mesmo em condições normais, o empreendedor já está muito suscetível ao esgotamento, porque se sente totalmente responsável pelo sucesso do negócio, afirma Maria da Conceição Uvaldo, pesquisadora do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo).

“Agora, o nível de angústia aumentou. É a ansiedade de não saber o futuro e ficar pensando 24 horas por dia em como resolver tudo, e isso causa um desgaste emocional enorme”, diz a psicóloga.

João posa para a câmera de braços cruzados
O empresário João Mendes de Oliveira, em São Paulo - Tiago Queiroz/Divulgação

O empresário João Mendes de Oliveira, 27, chegou a trabalhar 18 horas por dia para buscar novos caminhos para a sua recém-aberta startup, fundada em parceria com o chef Raphael Despirite, 35.

A Suflex, que oferece soluções de gestão a bares e restaurantes, funcionou por apenas uma semana, até que fosse decretada a quarentena no estado de São Paulo, em 23 de março. Foram realizadas cinco vendas, e outras estavam em processo de negociação. Ficou tudo em suspenso.

“A primeira sensação foi de frustração, de não saber se o projeto iria conseguir passar por este momento. A segunda foi uma ansiedade de não querer ficar parado”, afirma.

Neste período, a empresa organizou uma iniciativa de venda de vouchers de restaurantes e lançou uma plataforma para conectar empresários do setor a fintechs.

João pensava em criar outros três projetos. “Ao conversar com investidores e com a minha terapeuta, vi que estava preenchendo uma vontade minha de fazer alguma coisa em vez de focar no que traria benefícios à empresa.”

Além das preocupações relacionadas ao negócio, empresárias relatam uma sobrecarga de tarefas domésticas, intensificadas pelo confinamento. Isso eleva ainda mais o nível de estresse, diz Ana Fontes, idealizadora da Rede Mulher Empreendedora, plataforma que reúne 750 mil mulheres.

“O que eu mais tenho ouvido delas é que não estão conseguindo lidar com a situação como um todo. Ao mesmo tempo em que estão pensando em como a empresa vai sobreviver, têm toda a sobrecarga braçal e emocional”, afirma.

Teomila vestida de baiana em frente a trailer amarelo
A empresária Teomila Veloso em frente ao seu trailer, o Point do Acarajé da Mila, em Paraisópolis, em foto tirada antes da pandemia - Divulgação

Há dias, a empresária Teomila Veloso, 33, não tem conseguido dormir direito. “O meu corpo para, mas a minha mente continua trabalhando.”

Há sete anos, ela comanda o Point do Acarajé da Mila, que começou como uma barraca de rua e hoje funciona em um trailer em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo.

O negócio está operando apenas por delivery —além do serviço próprio, com dois motoboys, as entregas passaram a ser feitas pelo iFood. Para atrair mais clientes, Teomila tem criado promoções. Mas, só agora, as vendas chegaram à metade do volume normal.

“Não sei se vou conseguir pagar as contas. Tenho o trailer para tocar e, com as meninas em casa, fica mais difícil ainda”, diz Teomila, cujas filhas tem 7 e 16 anos.

Ela só conseguiu se acalmar um pouco depois que ligou para empresários para pedir conselhos. “Precisava de alguém que dissesse para mim ‘para e respira’.”

Neste momento, conectar-se a outros empreendedores é fundamental, diz Ana Fontes. “Normalmente, empreender é um ato muito solitário. Ao se juntar a quem está passando pela mesma situação, a gente sente um conforto e ganha motivação” afirma.

E, dessa união, podem ainda surgir parcerias e novas ideias para ajudar superar as dificuldades deste período.

Marcela sentada em uma mesa de escritório, com um notebook, à frente de uma parede amarela
A consultora Marcela Quiroga em sua casa, em São Bernardo do Campo - Gabriel Cabral/Folhapress

Já a empresária Marcela Quiroga, 54, não tem conseguido dividir suas angústias. Isso porque a pandemia trouxe a ela um problema oposto ao enfrentado pela maioria dos empreendedores no momento: o excesso de demanda.

Ela tem uma consultoria de vendas diretas e tem sido muito procurada para tocar projetos para plataformas digitais. Com isso, teve aumento de 30% no volume de trabalho.

Seu expediente tem se estendido por pelo menos dez horas. A única pausa é cronometrada: 20 minutos para esquentar o almoço, a sobra do jantar do dia anterior, para a filha, de 12 anos, e para sogra, de 85.

“O que mais me incomoda é que eu estou na contramão de todo o mundo e sinto que tinha que estar feliz”, diz Marcela. “Mas a pressão está muito grande, os clientes querem as soluções para ontem.”

Além disso, ela também está se sentindo culpada por não estar conseguindo cuidar da casa e dar atenção à filha. “Com essa pandemia, o emocional dela fica muito abalado. Como vou passar segurança para ela de uma coisa que eu não tenho?”, afirma.

Na última semana, Marcela teve uma crise de choro. “Vi que preciso achar uma forma de ter um pouco mais de equilíbrio, algo espiritual, para enfrentar os próximos meses.”

Segundo a psicóloga Maria da Conceição Uvaldo, é importante tentar estabelecer uma rotina, mesmo com todas as dificuldades. “Neste momento, é muito difícil falar para uma pessoa ‘fique tranquila’, porque ela não vai ficar, mas ela precisa se cuidar”, afirma.

Em muitos casos, é necessário buscar ajuda psicológica. Muitas redes de psicólogos estão oferecendo atendimento virtual gratuito, caso da clínica Dr. Psico e da iniciativa Relações Simplificadas. A Rede Mulher Empreendedora também está com uma parceria com a empresa Vittude, com consultas a R$ 20.

“Uma coisa que pesa muito sobre as mulheres é a cobrança de que é preciso usar esse tempo para fazer cursos e se capacitar. Você não precisa ser aquela que está maravilhosa, fazendo tudo em casa. Você não tem que sair melhor da pandemia, tem que sair viva”, afirma Ana Fontes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.