DA REUTERS

O governo de Israel protestou neste domingo (28) contra um projeto de lei que prevê isentar a Polônia de quaisquer responsabilidades sobre crimes cometidos por nazistas em seu território.

O texto, que já foi aprovado pela Câmara e será encaminhado ao Senado, proíbe descrever como "campos de morte poloneses" os campos de concentração construídos no país.

O governo polonês afirma que o projeto de lei não vai limitar investigações sobre o Holocausto, o que não foi suficiente para evitar o incidente diplomático.

"Em nenhuma circunstância aceitaremos qualquer tentativa de reescrever a história", afirmou o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu.

O governo de Israel exigiu que diplomatas poloneses dessem explicações.

Nesta semana, o embaixador de Israel deverá ter um encontro com os assessores de Andrzej Duda, presidente da Polônia.

Antes da Segunda Guerra Mundial, o território polonês tinha a maior comunidade judaica na Europa -eram 3,2 milhões de cidadãos. Os nazistas ocuparam o país em 1939 e construíram campos de extermínio, incluindo Auschwitz e Treblinka.

Em comunicado, o governo polonês afirma que o objetivo do projeto de lei é fazer com que o Estado e a população deixem de ser acusados de crimes praticados pela Alemanha nazista.

"Judeus, poloneses e todas as vítimas devem ser guardiães da memória daqueles que foram assassinados pelos nazistas alemães. Auschwitz-Birkenau não é um nome polonês", disse o primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, no sábado (27), em postagem em uma rede social.

O Instituto Polonês de Memória afirmou que a Polônia tem sido apresentada como aliada de Hitler, o que tornou a lei "necessária para proteger sua reputação [do país]".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.