Jacob Zuma estabelecerá condições para renúncia, diz jornal

Presidente sul-africano recebeu pedido de seu próprio partido para sair do cargo

Cidade do Cabo e Johanesburgo

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, aceitou renunciar tão logo conclua uma lista de precondições para deixar o cargo, afirmou na noite desta terça (6) o jornal sul-africano "Times" em sua versão on-line, citando fontes envolvidas no debate.

A decisão seria fruto de um acordo com Cyril Ramaphosa., seu vice e atual líder do CNA (Congresso Nacional Africano), o partido governista. Zuma havia convocado uma reunião de emergência de seu gabinete para esta terça (6) em meio à pressão do partido para que ele deixe o cargo, mas adiou o encontro  após o acordo. 

Zuma, 75, está envolvido em uma série de escândalos de corrupção, o que deu início ao movimento para tirá-lo do cargo —seu mandato acaba em 2019. 

O Parlamento sul-africano aceitou também nesta terça um pedido feito pela oposição para que o Discurso sobre o Estado da União que Zuma faria na quinta (8) fosse adiado. O pronunciamento será remarcado para depois do dia 22, quando a Casa deve votar uma moção de desconfiança contra o presidente, o que pode tirá-lo do cargo.

Manifestantes protestam do lado de fora da sede do CNA pedindo a saída de Zuma, em Johanesburgo
Manifestantes protestam do lado de fora da sede do CNA pedindo a saída de Zuma, em Johanesburgo - Themba Hadeb - 5.fev.2018/Associated Press

No domingo (4), líderes do CNA (Congresso Nacional Africano), partido de Zuma, se encontraram com o presidente em sua residência para discutir o futuro político da África do Sul. Segundo a imprensa local, Zuma recusou na ocasião um pedido para que renunciasse, o que levou à reunião desta terça.

Eleito em 2009 e reeleito cinco anos depois, Zuma vem perdendo poder desde o início dos escândalos de corrupção e vive uma queda de braço com Ramaphosa

As principais denúncias contra o presidente envolvem uma série de reformas feitas em sua casa e pagas com dinheiro público e sua ligação com os Gupta, influente família que é acusada de subornar diversas autoridades sul-africanas. 

Em dezembro de 2017, a candidata apoiada por Zuma, sua ex-mulher Nkosazana Dlamini-Zuma, perdeu uma apertada disputa para ser a nova líder do CNA para Ramaphosa, favorito para substituí-lo no comando do país na eleição de 2019.

Parte da cúpula do CNA teme que a derrocada da popularidade do atual presidente prejudique o partido nas próximas eleições, abrindo espaço para a oposição, e por isso quer que ele deixe o cargo.

A sigla, que tem como maior símbolo o ex-presidente Nelson Mandela (1918-2013), comanda o país desde o fim do apartheid, em 1994.  

Em 2016, o presidente Zuma chegou a enfrentar uma votação de impeachment, mas obteve vitória

Reuters e Associated Press
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.