Deus o fez assim, diz papa a homem gay

Declaração de Francisco teria ocorrido durante encontro privado com vítima de abuso no Chile

Juan Carlos Cruz, um dos principais acusadores de casos de abusos cometidos pela Igreja Católica no Chile, em Manhattan (EUA) - Andres Kudacki - 17.fev.2018/Associated Press
Madri | Reuters

Um chileno que sofreu abuso sexual de religiosos afirmou que o papa Francisco lhe disse, durante uma conversa privada, que Deus o fez gay e o ama dessa maneira, segundo o jornal espanhol El Pais. 

O Vaticano não quis comentar. Alguns ativistas consideraram que, se confirmada, a declaração do papa terá sido uma forte demonstração de tolerância em relação à homossexualidade, algo que a Igreja Católica tradicionalmente rejeita. 

Em entrevista publicada no domingo (20), a vítima de abuso Juan Carlos Cruz afirmou ao jornal espanhol que o papa lhe disse: "O fato de você ser gay não importa".

"Deus o fez assim e o ama dessa maneira, e para mim não importa. O papa o ama dessa maneira, e você deve ser feliz do jeito que é", disse Francisco, segundo Cruz. 

Cruz um dos principais impulsionadores das denúncias de abuso no Chile e uma das vítimas de abuso que foram convidadas para um encontro com o papa neste mês.

Após uma audiência com o pontífice na semana passada, todos os bispos chilenos apresentaram sua renúncia, devido ao escândalo de pedofilia no país. 

Desde que foi eleito papa, em 2013, Francisco mudou dramaticamente a linguagem da igreja em relação aos gays.

"Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgar?", afirmou ele em sua primeira viagem internacional, em 2013.

Papa Francisco em celebração no Santuário de Fátima, em Portugal
Papa Francisco em celebração no Santuário de Fátima, em Portugal - Tiziana Fabi/AFP

Em 2016, o papa disse que dava a Comunhão ​a homossexuais que mantinham a castidade. 

"Quando uma pessoa chega diante de Jesus, Jesus certamente não vai dizer: Vá embora porque você é gay", afirmou o papa. 

Seu predecessor, o papa Bento 16, escreveu em 2015 que a homossexualidade era "uma forte tendência que levava ao mal moral intrínseco". 

Francis DeBernardo, diretor-executivo do New Ways Ministry, que defende igualdade para os católicos qu são LGBT, disse que a declaração do papa foi “tremenda” e fará muito bem. 

“Seria muito melhor se ele fizesse declarações desse tipo publicamente, porque LGBTs precisam ouvir essas mensagens dos líderes religiosos, dos líderes católicos”, disse. 

O jesuíta James Martin pontuou o fato de as declarações terem sido feitas em uma conversa privada e não em um documento ou um pronunciamento público. Mas afirmou que eram de todo modo significativas. 

“O papa está dizendo o que muitos biólogos e psicólogos dirão, ou seja, que as pessoas não escolhem sua orientação sexual”, afirmou Martin. 

Já outros minimizaram as declarações, dizendo que elas meramente estão de acordo com a atitude pastoral de Francisco.

“O que o papa está dizendo é ‘Deus te ama e te fez como você é, e portanto você deve se aceitar enquanto luta para viver de acordo com o Evangelho”, disse Robert Gahl, teólogo da Pontifical Holy Cross University, em Roma.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.