Chefe da Defesa dos EUA discute cooperação militar e Maduro em tour ao Brasil

James Mattis passará por Brasília e fará discurso na Escola Superior de Guerra, no Rio

Vestido com terno preto, camisa branca e gravata roxa, Mattis sorri. Ele está em frente a uma escada na entrada do Pentágono.
O secretário de Defesa americano, James Mattis, durante visita de seu par britânico, Gavin Williamson, ao Pentágono - Cliff Owen - 7.ago.18/Associated Press
Patrícia Campos Mello
São Paulo

A situação na Venezuela, a cooperação entre as forças armadas e aumento de venda de armamentos e equipamentos serão temas da visita que o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, fará ao Brasil a partir desta segunda-feira (13).

Em Brasília, Mattis vai se reunir com o chanceler Aloysio Nunes, com o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, e com o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Almirante Ademir Sobrinho.

Na quarta-feira, o secretário de Defesa fará um discurso na Escola Superior de Guerra, no Rio de Janeiro, e visitará o monumento nacional aos mortos da Segunda Guerra Mundial.

Desde 2015, vêm se fortalecendo as relações no setor de defesa entre os dois países.

O Brasil é finalista em uma licitação para a venda de até 150 A-29 Super Tucanos para a Força Aérea americana, no programa chamado OA-X.

A Embraer compete com a americana Textron pelo contrato para fornecer os aviões que seriam usados em missões antiterrorismo no Oriente Médio. As duas empresas estão participando de testes nos EUA.

A negociação é delicada. Em 2013, a Embraer venceu uma licitação para fornecer 20 aviões à Força Aérea americana, no valor de cerca de US$ 450 milhões (R$ 1,7 bilhão), para uso no Afeganistão.

 

Mas a licitação foi contestada na Justiça pela americana Hawker Beechcraft, que argumentava que dar o contrato para a empresa brasileira (que fabrica os aviões na Flórida) eliminaria empregos de americanos.

Após muita disputa jurídica, a Embraer teve a vitória na licitação confirmada, e entregou os aviões. A Textron comprou a Hawker Beechcraft em 2014.

Também de interesse brasileiro são acordos de cooperação em pesquisa e tecnologia com o setor de defesa americano.

É prioridade para o governo brasileiro avançar com o acordo de salvaguardas tecnológicas para poder alugar aos americanos a base de lançamento de foguetes em Alcântara (MA), negócio cuja receita anual pode chegar a US$ 1,5 bilhão (R$5,8 bilhões).

O governo americano deve abordar a situação na Venezuela e o potencial de desestabilização da região, a atuação das Forças Armadas brasileiras na fronteira venezuelana.

Em sua visita ao Brasil em junho, o vice-presidente americano, Mike Pence, falou ao presidente Michel Temer sobre sua preocupação com os impactos do fluxo de refugiados na região.

Em visita nesta semana à fronteira da Colômbia com a Venezuela, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, culpou Maduro pela crise venezuelana e defendeu uma ação coordenada na região contra o regime, sem falar numa intervenção.

Do Brasil, Mattis, segue para a Argentina, depois para o Chile e Colômbia, onde se reúne com integrantes do novo governo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.