Binyamin Netanyahu diz que eleições antecipadas em Israel seriam um erro

Além da recusa em convocar eleições, premiê disse que vai chefiar Ministério da Defesa provisoriamente

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, em seu gabinete em Jerusalém - Abir Sultan/AFP
Jerusalém | AFP

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou neste domingo (18) que o pedido de eleições antecipadas seria "um erro", depois da renúncia do ministro da Defesa, Avigdor Lieberman.

"Em um período tão delicado do ponto de vista da segurança, o rumo das eleições seria um erro", declarou Netanyahu na abertura do Conselho de Ministros.

Ao final do dia, Netanyahu se reunirá com o ministro das Finanças Moshé Kahlon para tentar convencê-lo a não apoiar a ideia de eleições antecipadas. O apoio de Kahlon é vital para a coalizão governamental.

A maioria parlamentar do primeiro-ministro é de apenas um deputado (61 dos 120) devido à renúncia de Avigdor Lieberman, chefe do partido Beitenu, que tem cinco cadeiras no Parlamento israelense.

Lieberman renunciou em protesto contra o cessar-fogo concluído após uma onda de violência na Faixa de Gaza. 

Ele é a favor de aplicar medidas contundentes contra o grupo islâmico Hamas, que controla Gaza, e denuncia a capitulação ao terrorismo e pediu eleições legislativas o mais rápido possível.

Kahlon, líder do partido centrista Kulanu, manifestou-se a favor das eleições "o mais rapidamente possível". A atual legislatura termina em novembro de 2019.

Outro membro da coalizão, Naftali Bennett, ministro da Educação e chefe do partido nacionalista religioso The Jewish House (Casa Judaica) deseja a pasta da Defesa. Sem este partido, Netanyahu perde a maioria parlamentar.

Na sexta-feira (16), o primeiro-ministro se opôs a aceitar um novo nome para o cargo e anunciou que ocupará ele mesmo, de forma provisória, chefiará o Ministério da Defesa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.