Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro fala com líder de ultradireita da Hungria e promete parceria

Eleito diz que húngaros sofreram com comunismo e brasileiros não sabem o que é ditadura ainda

Nicola Pamplona
Rio de Janeiro

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, conversou nesta segunda (19) por telefone com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, líder de ultradireita criticado por políticas anti-imigração e discursos antissemitas, e disse que os dois países serão “grandes parceiros para o futuro”.

“[A Hungria] é um país que sofreu muito com o comunismo no passado. É um povo que sabe o que é ditadura. O povo brasileiro não sabe o que é ditadura aqui ainda, o que é sofrer nas mãos dessas pessoas. E ele está feliz com a nossa eleição”, disse Bolsonaro, em entrevista na porta de sua casa, após voltar do banco.

O presidente eleito se recusa a dizer que o Brasil foi uma ditadura militar de 1964 a 1985

Em setembro, o Parlamento Europeu aprovou moção contra Orbán por violações ao Estado de Direito, iniciativa que poderá levar, em última instância, à cassação do direito de voto do país no parlamento.

Na votação, os deputados endossaram relatório da deputada holandesa Judith Sargentini, que listava uma série de iniciativas autoritárias que atentaram contra a liberdade de imprensa, a independência da Justiça, o funcionamento de organizações não governamentais e os direitos de migrantes e refugiados.

Indagado sobre o tema, Bolsonaro fez críticas à política brasileira de imigração, que, na sua opinião, “transformou o Brasil em um país sem fronteiras”. Segundo ele, a Europa está hoje “sofrendo com a imigração desordenada”.

“Não podemos admitir a entrada indiscriminada de quem quer que seja, simplesmente por que querem vir para cá”, comentou, após reforçar ter sido contrário à aprovação da lei de imigração de atual.

“Se essa lei continuar em vigor, qualquer um pode entrar aqui. E chega aqui com mais direito de que nós.”

O presidente eleito também falou em cortar o financiamento a organizações não governamentais no Brasil ao ser questionado a respeito de punição a ONGs que fazem campanhas para proteger imigrantes na Hungria.

“Se são não governamentais, por que receber dinheiro do governo? Nós vamos dar um tratamento específico para ONGs no Brasil. Empresa pública não vai financiar ONGs para fazer campanha contra o interesse nacional."

Bolsonaro não deixou claro, porém, que ONGs poderiam ser alvo de corte.

Orbán é um dos políticos radicais nacionalistas na órbita do estrategista político americano Steve Bannon, que ajudou o americano Donald  Trump em sua campanha eleitoral e agora criou um grupo de políticos nacionalistas chamado Movimento, com foco na Europa. Bannon já se encontrou nos EUA com o filho de Bolsonaro, Eduardo, com quem trocou ideias.

O grupo deve se reunir pela primeira vez em janeiro próximo, e o brasileiro será convidado a integrá-lo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.