Descrição de chapéu Venezuela

Com 'fuzil na mão', grupos chavistas prometem defender posse de Maduro

Paramilitares organizam marcha em Caracas dias antes de ditador assumir segundo mandato

Caracas

No protesto em defesa do novo mandato do ditador Nicolás Maduro, um homem gritava em meio a um grupo de chavistas, a maioria armados: "Quem tem colhões, pegue um fuzil!".

As milícias paramilitares chamadas de coletivos fizeram nesta segunda-feira (7) um juramento simbólico de Maduro, que na quinta (10) toma posse em um segundo mandato contestado pela comunidade internacional.

Reeleito em maio do ano passado, Maduro venceu um pleito boicotado por parte da oposição —outra parte foi impedida de concorrer.

A Assembleia Nacional, Parlamento de maioria opositora, declarou que o novo mandato é ilegítimo e que, a partir do dia 10, Maduro estará "usurpando a Presidência".

O Grupo de Lima, que reúne 14 países latino-americanos (incluindo o Brasil), pediu que Maduro não assuma o mandato e transfira o poder ao Legislativo que foi eleito em 2015.

Com retratos de Maduro e do seu antecessor, Hugo Chávez (1954-2013), militantes em veículos, motos e caminhões —alguns encapuzados e armados— atravessaram bairros populares de Caracas para apoiar o ditador chavista, que na quinta prestará um juramento oficial ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

Um dos juízes da corte fugiu no último fim de semana para os Estados Unidos por não reconhecer a legitimidade do novo mandato de Maduro. Christian Zerpa afirmou que irá cooperar com as autoridades americanas para expor a corrupção no regime venezuelano.

"Todo aquele que tem colhões, fuzil na mão, deve enfrentar. Somos combatentes, formados militarmente, armados para este conflito. Sem medo", afirmou Jorge Navas, chefe de um dos coletivos, em discurso em frente ao Quartel da Montanha, onde está o corpo de Chávez.

"Aqui estão revolucionários, não delinquentes", disse Navas, vestido de preto com uma braçadeira vermelha, azul e amarela —cores da bandeira da Venezuela.

Os veículos da marcha dos coletivos avançavam em meio a discursos, música e fogos de artifício. O regime afirma que esses grupos, baseados em comunidades pobres, buscam assegurar o desenvolvimento de atividades produtivas. A oposição considera que eles atuam como paramilitares.

"Até a vitória sempre!", afirmou Valentín Santana, líder de um poderoso coletivo no bairro 23 de Enero, bastião do chavismo em Caracas.

Suspeito de homicídio e outros delitos, mas frequentemente visto em eventos com ministros do governo, Santana alertou aos opositores de Maduro que "a Revolução Bolivariana não se negocia".

"Nós dos coletivos não vamos negociar nunca", disse o militante, que dirigia um caminhão com camuflagem dentro do qual viajavam encapuzados fortemente armados.

O número dois do chavismo, Diosdado Cabello, havia descartado que a posse de Maduro termine em violência. "Aqui não vai haver nenhuma confrontação", afirmou, instando apoiadores do regime a marchar por Caracas na quinta-feira.

Durante a caravana nesta segunda, foram repetidos trechos de um discurso de Chávez proferido em 2008, quando expulsou o então embaixador dos EUA em Caracas: "Vão pra puta que pariu, ianques de merda, que aqui há um povo digno! Vão pra  puta que pariu cem vezes!".

Maduro acusa Washington de tentar derrubá-lo com um golpe de Estado, treinando mercenários na vizinha Colômbia, e até de tentar assassiná-lo após um suposto atentado com drones, em agosto de 2018.

AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.