Descrição de chapéu Venezuela

Parlamento Europeu reconhece Guaidó como presidente interino da Venezuela

Legislativo da União Europeia aumenta pressão para que bloco também reconheça opositor de Maduro

Lucas Neves
Paris

O Parlamento Europeu reconheceu o deputado Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela nesta quinta-feira (31), aumentando a pressão sobre a União Europeia para que faça o mesmo.

Guaidó, que preside a Assembleia Nacional (de maioria opositora ao regime de Nicolás Maduro), declarou-se presidente encarregado do país no último dia 23, poucos dias após a posse do ditador para um segundo mandato.

O líder do Legislativo venezuelano, Juan Guaidó, que se declarou presidente encarregado da Venezuela, participa de protesto contra Maduro em Caracas
O líder do Legislativo venezuelano, Juan Guaidó, que se declarou presidente encarregado da Venezuela, participa de protesto contra Maduro em Caracas - Carlos García Rawlins/Reuters

O deputado foi reconhecido quase que instantaneamente pelos governos de EUA, Brasil, Colômbia e outros países da região.

No Parlamento Europeu, a resolução foi aprovada por ampla maioria: 439 deputados votaram a favor da medida, 104, contra, e houve 88 abstenções.

No último sábado (26), seis países do continente (Espanha, Alemanha, Portugal, Reino Unido, França e Holanda) deram oito dias para Maduro organizar novas eleições –as realizadas em maio de 2018 são consideradas fraudulentas pela opinião pública internacional.

O prazo expira no próximo domingo (3). Se Maduro não seguir a orientação europeia, as maiores forças do bloco reconhecerão Guaidó como presidente interino.

O ditador acenou com a possibilidade de realizar novas eleições legislativas, mas não presidenciais.

Também na quinta, em reunião em Bucareste (Romênia), o conjunto dos ministros de relações exteriores europeus não chegou a uma declaração do mesmo calibre.

Ficou acertado que alguns governos do continente (como os de Alemanha, França e Reino Unido) irão compor, ao lado de autoridades de Bolívia, Equador e outros países latino-americanos, um grupo de coordenação de políticas para aproximar Maduro e o campo opositor, impedir a repressão violenta e construir as condições para a realização de novas eleições.

"Não se trata de uma mediação nem de criar vias de diálogo", disse Federica Mogherini, alta representante da União Europeia para a política externa. "A ideia é monitorar o país no caminho rumo a eleições pacíficas, democráticas e livres."

O grupo terá 90 dias para apresentar medidas concretas.

Além disso, o plenário exigiu a liberação dos jornalistas detidos arbitrariamente pelo regime. Há dois franceses da emissora TMC encarcerados desde esta quarta-feira (30), além de dois colombianos e um espanhol a serviço da agência espanhola Efe, e um motorista venezuelano que prestava serviços à agência.

Com AFP.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.