Descrição de chapéu Venezuela Governo Trump

Ao lado de mulher de Guaidó, Trump pede retirada de tropas russas da Venezuela

Aviões militares russos pousaram próximo a Caracas no sábado (23); Fabiana Rosales diz temer pela vida de seu marido

Washington | Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu nesta quarta-feira (27) à Rússia que retire suas tropas da Venezuela e alertou que "todas as opções" estão abertas para que isso aconteça.

As declarações foram dadas no Salão Oval da Casa Branca, onde o republicano se encontrou com Fabiana Rosales, esposa do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

A chegada de dois aviões da Força Aérea russa ao aeroporto de Maiquetía, próximo a Caracas, no sábado (23), com cerca de cem soldados russos e armamentos, aumentou a crise política no país latino.

Não estão claras as razões do pouso dos aviões. O governo americano acredita que as tropas russas incluem forças especiais e pessoal de segurança cibernética.

"A Rússia precisa sair", disse Trump. Indagado sobre como ele faria as forças russas saírem, completou: "Vamos ver. Todas as opções estão abertas".

A Rússia tem relações bilaterais e acordos com a Venezuela que planeja honrar, disse o vice-embaixador russo da ONU, Dmitry Polyanskiy, em resposta aos comentários de Trump.

A Rússia e a China apoiam o ditador Nicolás Maduro, enquanto os Estados Unidos e a maioria dos países ocidentais estão do lado do líder da oposição, Juan Guaidó. Em janeiro, ele invocou a constituição para assumir a presidência interina do país, argumentando que a reeleição de Maduro em 2018 é ilegítima.

"Não cabe aos Estados Unidos decidir ações e destino de outros países. Cabe apenas ao povo da Venezuela e seu único presidente legítimo, Nicolás Maduro", disse Polyanskiy em uma rede social.

Maduro, que mantém o controle das funções do Estado e das Forças Armadas do país, disse que Guaidó é um fantoche dos Estados Unidos.

O presidente Donald Trump em encontro na Casa Branca com Fabiana Rosales, esposa do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó
O presidente Donald Trump em encontro na Casa Branca com Fabiana Rosales, esposa do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó - Saul Loeb/AFP

Rosales, uma jornalista de 26 anos, disse a Trump que Guaidó foi atacado na terça-feira (26), apesar de ela não fornecer detalhes. Um grupo paramilitar cercou a Assembleia Nacional, de maioria opositora e presidida por Guaidó, após sessão que teve o líder oposicionista como orador.

"Temo pela vida do meu marido", afirmou Rosales. Ela estava acompanhada pela esposa e irmã de Roberto Marrero, chefe de gabinete de Guaido, preso e detido na semana passada por agentes do Sebin, a agência de inteligência venezuelana.

Mais cedo, na Casa Branca, Rosales se encontrou com o vice-presidente Mike Pence e disse a ele que a falta de energia e a escassez de alimentos estavam prejudicando as crianças em seu país.

"Eles estão tentando destruir nosso estado de espírito. Eles querem nos submergir na escuridão eterna. Mas deixe-me dizer-lhes que há luz, e a luz está aqui", disse Rosales a Pence.

Ela deve se encontrar com a primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, em Palm Beach, na quinta-feira (28), em uma turnê pelo sul da Flórida, onde mora a maior comunidade de exilados venezuelanos nos Estados Unidos.

Rosales também deve se reunir com legisladores no Capitólio e outros exilados venezuelanos em um think tank de Washington. Pence elogiou Rosales por ser "corajosa".

"Nossa mensagem é muito simples: estamos com você", disse o vice-presidente.

Fabiana Rosales, esposa do líder oposicionista da Venezuela, Juan Guaidó, na Casa Branca - AFP

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.