Trump nega crescimento de ideologia supremacista e diz que não leu elogio de atirador

Autor do ataque chamou o presidente dos EUA de 'símbolo de uma renovada identidade branca'

São Paulo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta (15) que não vê um aumento no supremacismo branco.

A ideologia racista teria motivado o autor do massacre que deixou 49 mortos em Christchurch, na Nova Zelândia, um australiano de 28 anos que se descreveu como “um homem branco comum”.

O presidente dos EUA, Donald Trump
O presidente dos EUA, Donald Trump - AFP

Questionado por um repórter se via um aumento no supremacismo, Trump disse: “Na verdade, não vejo. Acho que esse é um grupo pequeno de pessoas com problemas muito, muito graves”.

 

Trump disse ainda que não tinha tido conhecimento do manifesto em que o autor do atentado denuncia imigrantes e elogia Trump, a quem descreve como “um símbolo de uma renovada identidade branca e de propósitos em comum”.

Mercedes Schlapp, porta-voz da Casa Branca, afirmou que é “indignante” conectar o presidente americano ao terrorista, a quem definiu como “um transtornado”.

Mais cedo, Trump conversou com a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, e enviou condolências.

“Os locais sagrados de culto se transformaram em cenas de assassinatos malvados. Todos vimos o que ocorreu. É algo horrível, horrível”, disse o presidente dos EUA após a ligação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.