Descrição de chapéu Venezuela Governo Bolsonaro

Mourão se reúne com Pence e diz que EUA não farão ação militar na Venezuela

Vice-presidente afirmou que questão militar é 'tarefa dos venezuelanos'

0
O vice-presidente Hamilton Mourão durante conversa com o vice americano, Mike Pence, em Washington - Twitter/Reprodução
Marina Dias Patrícia Campos Mello
Washington

O vice-presidente Hamilton Mourão disse que os EUA não farão uma intervenção militar na Venezuela para tentar resolver a crise que assola o país sob a ditadura de Nicolás Maduro. 

A declaração foi dada nesta segunda-feira (8) minutos depois de Mourão se reunir com o vice-presidente americano, Mike Pence, na Casa Branca, em Washington.

Segundo o general, a ação militar é uma tarefa de responsabilidade das Forças Armadas venezuelanas.

Aos outros países, argumenta o vice brasileiro, cabe fazer pressão política e econômica para desgastar o governo Maduro.

"Nenhum dos nossos países vai intervir na Venezuela de maneira militar. A intervenção que está sendo feita é política e econômica. A questão militar é dos venezuelanos", afirmou Mourão a jornalistas após reunião com Pence.

Ele citou como exemplo de pressão as sanções, anunciadas pelo próprio Pence na semana passada, que os EUA impuseram contra navios e empresas que transportam petróleo da Venezuela para Cuba —a principal atividade econômica da Venezuela hoje é a venda de petróleo.

Indagado sobre a quais países estava se referindo, o general afirmou que eram todos aqueles que fazem parte do Grupo de Lima, "inclusive os EUA".

O bloco é formado por 12 países, incluindo Brasil e Argentina —os EUA não integram o grupo oficialmente, mas têm participado das reuniões que resultaram em posições críticas à situação na Venezuela e nas quais declararam apoio ao líder oposicionista Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino do país.

Mourão, assim como a ala militar do governo brasileiro, não é favorável a uma intervenção militar no vizinho e quer ater as ações do Planalto à entrega de ajuda humanitária.

Segundo o vice brasileiro, Pence perguntou diretamente sua opinião sobre o assunto.

"Ele perguntou minha opinião, que todos vocês sabem: a situação da Venezuela tem que ser solucionada pela Venezuela. Os EUA têm feito bem a parte deles de pressão política e econômica. Não temos fôrma de bolo."

Em Boston, Mourão já havia dito que o discurso duro do presidente Donald Trump em relação à Venezuela  era mais uma "figura de retórica" do que uma ação efetiva.

Para o vice brasileiro, não há solução imediata para a crise venezuelana, mas a pressão econômica vai "estrangular o país" e, assim, os militares venezuelanos vão conseguir tirar Maduro do poder e convocar eleições para substituí-lo.

O presidente Jair Bolsonaro, quando esteve em Washington em março, não descartou de imediato o apoio do Brasil caso os americanos decidissem intervir militarmente no país latino-americano.

Dias depois, porém, o líder brasileiro recuou e disse que não daria suporte a esse tipo de ação.

Em entrevista à rádio Jovem Pan nesta segunda (8), Bolsonaro não descartou a possibilidade e afirmou que consultaria o Conselho de Segurança Nacional e o Congresso brasileiro antes de tomar a decisão. 

Indagado se apoia a construção do muro na fronteira com o México, Mourão disse: “O presidente Bolsonaro já disse que apoia. Se ele declarou, eu também apoio. Estou que nem um paraquedas com ele, estou com ele e não abro.”

Segundo Mourão, o principal objetivo do encontro com Pence era fazer "o aproveitamento do êxito" da visita de Bolsonaro a Washington.

"Bolsonaro criou empatia com Trump. Era minha vez de fazer [o mesmo] com minha contraparte."

O vice disse ainda que ambos se deram muito bem e que o americano manifestou vontade de visitar o Brasil com a esposa.

"A sensação é que posso passar a mão no telefone, eu o chamo de Pence e ele me chama de Tony", disse Mourão. "Quem sabe levamos ele para o Rio, e ele joga uma partida de futevôlei comigo."

De acordo com Mourão, a reunião com Pence ainda tratou sobre o status do Brasil de aliado prioritário dos EUA extra-Otan e a relação com China.

O vice afirmou que deixou claro ao americano que Pequim é um parceiro estratégico para o Planalto —apesar da guerra comercial dos EUA com país asiático.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.