Descrição de chapéu The New York Times

Os 7 estranhos anos de Assange na Embaixada do Equador

Fundador do WikiLeaks andava de skate pelos corredores e recebia visitantes constantemente

Julian Assange na janela da embaixada do Equador em Londres, em maio de 2017 - Han Yan/Xinhua
Steven Erlanger Nicholas Casey
The New York Times

Ver Julian Assange, barbado e maltrapilho, tentando resistir à prisão enquanto policiais londrinos o arrastavam pela rua, foi um espetáculo que encerrou de forma estranha os sete estranhos anos que ele passou dentro da Embaixada do Equador, onde vivia com seu gato em uma salinha, se definindo como o refugiado político mais famoso do planeta.

Assange, 47, vem há muito tentando se descrever como um cruzado, por conta dos segredos que revelou. A organização de internet que ele fundou, WikiLeaks, publicou vastos arquivos de mensagens do governo americano e emails obtidos por hackers a serviço das agências de espionagem russa, cujo objetivo claro era prejudicar a candidatura presidencial de Hillary Clinton.

Ainda que tenha sido detido na quinta-feira pelas autoridades britânicas por violação dos termos de sua fiança, Assange foi imediatamente acusado nos EUA por conspiração para invadir computadores do governo.

Para seus simpatizantes, Assange é um mártir e um defensor da liberdade de expressão. Para o governo dos EUA, ele é um pária e um lacaio do Kremlin. Mas o fator mais importante talvez tenha sido a mudança de opinião do governo do Equador.

Ele havia se tornado um hóspede indesejado.

Na pequena embaixada, em um prédio de tijolos vermelhos, ele continuava a dirigir sua organização de internet, concedia entrevistas coletivas de uma sacada, diante de plateias de centenas de admiradores, andava de skate pelos corredores e recebia uma parada constante de visitantes, entre os quais Lady Gaga e Pamela Anderson, supostamente sua amante, que lhe levou sanduíches veganos.

Na quinta-feira, Anderson postou diversas mensagens e chamou o Reino Unido e os EUA de "demônios e mentirosos e ladrões".

Em entrevistas ao The New York Times em 2016, como parte de um estudo aprofundado sobre suas ligações com a Rússia, Assange negou qualquer vínculo com os serviços de inteligência russos, especialmente quanto aos emails vazados do Partido Democrata.

Hillary e os democratas estavam "fomentando uma nova histeria sobre a Rússia, como a da era de McCarthy", ele disse. "Não há qualquer 'prova concreta' de que aquilo que o WikiLeaks publica venha de agências de inteligência", ele disse, ainda que ao mesmo tempo tenha indicado que aceitaria alegremente esse tipo de material.

Por menor que fosse o espaço de que ele dispunha na embaixada, que fica perto da luxuosa loja Harrods, Assange parece nunca ter perdido seu desejo de estar sob os holofotes.

Ele tinha um escritório equipado com uma cama, uma lâmpada de bronzeamento, um computador, uma pequena área para cozinhar, um chuveiro, uma esteira rolante de ginástica e estantes. Três anos atrás, uma pessoa que conhecia o local o definiu como "um posto de gasolina com dois frentistas".

Vaughan Smith, que apoia Assange há muito tempo e contribuiu com dinheiro para sua fiança, disse que que "Julian é um cara grandão, de ossos largos, e ele ocupa toda a sala, física e intelectualmente".

"É uma embaixada minúscula, com uma varanda minúscula", ele acrescentou, "pequena, quente e sem fluxo de ar, e a situação deve ser bem difícil para todo mundo lá".

Mas em sua sala, Assange por anos recebeu admiradores e pessoas famosas interessadas em curiosidades, como o astro do futebol francês Eric Cantona e Nigel Farage, um apresentador de rádio que favorece o brexit e foi líder do Partido pela Independência do Reino Unido (Ukip).

Mesmo assim, o isolamento estava sendo desgastante para Assange, disse um amigo na quinta-feira, especialmente os finais de semana longos e solitários em uma embaixada essencialmente vazia da qual ele não podia sair.

Até mesmo seus amigos o descrevem como difícil, um narcisista que se vê como mais importante do que de fato é, e desinteressado em assuntos menores, por exemplo a higiene pessoal.

Ele estava cada vez mais deprimido e pensava em simplesmente sair da embaixada, disse o amigo, que pediu que seu nome não fosse mencionado. E o relacionamento com os anfitriões tinha se desgastado muito, e chegava a ser hostil.

Uma cópia de uma carta enviada em 2014 por Juan Falconi Puig, então embaixador equatoriano ao Reino Unido, ao Ministério do Exterior de seu país, vista por The New York Times, delineava o crescente ressentimento dos diplomatas com relação a Assange, por conta de seu comportamento na embaixada.

Entre as principais preocupações de Falconi estava o pendor de Assange por andar de skate e jogar futebol com seus visitantes. O uso do skate, Falconi afirmou, "estragou pisos, portas e paredes".

A longa presença de Assange na embaixada, depois que o presidente equatoriano que lhe concedeu asilo foi substituído, por fim se tornou um fardo pesado demais para o governo do Equador. O presidente Lenín Moreno, eleito em 2017, explicou a decisão no Twitter e em um vídeo.

"Em uma decisão soberana, o Equador revogou o asilo concedido a Julian Assange, depois de suas repetidas violações das convenções internacionais e dos protocolos da vida cotidiana", o presidente afirmou.

Moreno acusou Assange de instalar "equipamento eletrônico e de distorção" proibido, de acessar os arquivos de segurança da embaixada sem permissão, de bloquear as câmeras de segurança da embaixada e de tratar mal os funcionários, incluindo os seguranças.

Em março do ano passado, o governo equatoriano cortou a conexão de internet de Assange, afirmando que ele havia violado um acordo que determinava que parasse de comentar sobre, ou de tentar influenciar, as políticas de outros países.

O governo também limitou o número de visitantes que ele podia receber e exigiu que ele limpasse seu banheiro e cuidasse de seu gato. Assange então abriu um processo contra o governo equatoriano, em outubro, afirmando que seus direitos estavam sendo violados.

A editora-chefe do WikiLeaks, Kristin Hrafnsson, acusou em uma entrevista coletiva nesta semana que "espionagem extensa" havia acontecido contra Assange, e que o Equador era parte de um complô para extraditá-lo aos EUA.

"O que estabelecemos foi que a segurança monitorava todos os seus movimentos e todos os seus encontros com visitantes", disse Hrafnsson. "Também sabemos que existia uma solicitação de entrega dos arquivos de vídeo e de visitantes da embaixada".

"Acreditamos que esses arquivos tenham sido entregues ao governo Trump", ela disse.

Hrafnsson também acusou que a espionagem era parte de um complô de extorsão em valor de três milhões de euros contra Assange, envolvendo vídeos de sexo.

A polícia britânica deteve Assange na quinta-feira por violação de condicional, depois de sua detenção inicial em 2010, que aconteceu a pedido da Suécia.

Os suecos queriam interrogar Assange quanto a acusações de delitos sexuais e estupro; em junho de 2012, Assange, que já temia extradição aos EUA, buscou asilo político na embaixada equatoriana, o que levou seus colaboradores a perder o dinheiro da fiança.

Policiais britânicos chegaram à rua da embaixada às 9h15 da quinta-feira, onde o embaixador apresentou a Assange documentos de revogação de seu asilo. Ele não se rendeu facilmente.

Assange resistiu à prisão e teve de ser imobilizado pelos policiais, que se esforçaram por algemá-lo e receberam assistência de outros policiais, que aguardavam fora da embaixada.

"Isso é ilegal. Não vou sair", disse Assange aos policiais, de acordo com o relato feito ao tribunal de Westminster, ao qual ele compareceu mais tarde, com os cabelos grisalhos presos em um coque e os lábios finos visíveis por trás de uma barba longa e branca; ele se comportou com compostura, e usava um terno azul escuro.

Do lado de fora, uma legião de câmeras estava apontada para uma entrada protegida, e um grupo de manifestantes gritava, desanimadamente: "libertem, libertem, libertem Assange".

Quando Assange se acomodou no tribunal, um simpatizante que usava um casaco fluorescente puído ergueu um polegar na direção dele, da área de espectadores.

Assange voltou a cabeça na direção do sujeito, ergueu o braço e retribuiu a saudação.

Enquanto aguardava a chegada dos advogados, Assange lia um livro que ele ergueu para que a mídia visse: "History of the National Security State" [história do Estado de segurança nacional], de Gore Vidal.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.