Presidente francês passa de enfant terrible a liberal centrista

Emmanuel Macron chega aos dois anos de mandato recalibrando discurso pró-mercado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Paris

Emmanuel Macron, o presidente francês que chega aos dois anos de mandato no próximo dia 14, já não é o enfant terrible que, recém-empossado, passou batido por sindicatos e pelo debate público para desmontar dois totens de seu país: a legislação trabalhista e o monopólio da estatal SNCF sobre a exploração da malha ferroviária.

Acuado há mais de cinco meses pelos coletes amarelos, movimento social com invejável capacidade de regeneração, o ex-ministro da Economia teve de recalibrar o discurso pró-mercado e ajustar o receituário com que prometia tirar a economia da letargia —décadas de crescimento modesto acompanhado de elevado gasto público.

O neoliberal que prometia sanear as contas do Estado represando sua incontinência fiscal virou só um liberal centrista, na caracterização do pesquisador Jérôme Creel, do Instituto de Estudos Políticos de Paris.

Emmanuel Macron, o presidente francês - Ludovic Marin / AFP

"No começo, ele manteve a política de [François] Hollande [ex-presidente], muito favorável a empresas", avalia. "Buscava reduzir os custos de produção a fim de que o setor privado empregasse mais, ou distribuísse mais seus lucros sob a forma de salários ou de dividendos para acionistas, ou baixasse seus preços para ser mais competitivo no exterior."

Com isso em mente, fez passar em quatro meses uma reforma que tornou mais fácil contratar e demitir. Com um ano, também aprovou a abertura do sistema de trens de longa distância à concorrência e o fim do regime trabalhista diferenciado para ferroviários.

Entre uma medida e outra, o presidente suprimiu o imposto sobre fortunas (instituído em 1989), substituindo-o por uma taxa que só incidiria sobre o patrimônio imobiliário.

Não à toa, o pacote fez colar em Macron a pecha de mandatário dos ricos, pouco sensível às agruras da classe média e seus finais de meses difíceis, na expressão que os "coletes amarelos" cristalizaram.

Dezenas ou centenas de milhares de pessoas foram às ruas em várias regiões da França em novembro de 2018 para protestar contra o reajuste de uma taxa sobre o combustível com a qual o governo pretendia financiar a transição energética para fontes limpas.

Voltam a elas, infalivelmente, há 25 sábados, agora com uma pauta ampla, encabeçada pela reivindicação de uma recomposição do poder aquisitivo da classe trabalhadora.

A resposta presidencial veio em dois tempos. No fim do ano passado, Macron anunciou o reajuste do salário mínimo, o fim da taxação de horas extras e a anulação da alta de uma contribuição compulsória sobre as aposentadorias.

No fim de abril veio nova artilharia: redução da alíquota do Imposto de Renda, indexação de aposentadorias baixas pela inflação e piso de 1.000 euros (R$ 4.405) para inativos.

Os agrados representam um impacto de 17 bilhões de euros (R$ 75 bilhões) sobre os cofres públicos, segundo o Ministério da Economia.

"São receitas a menos ou gastos suplementares que vai ser preciso financiar e que contradizem a agenda de redução do déficit público que ele tinha defendido", diz Creel.

Buscando se cacifar para obter dos países vizinhos mudanças no funcionamento da União Europeia, o centrista se posicionara até aqui como seguidor da austeridade preconizada pelo bloco.

Reduziu o déficit público a 2,8% em 2017 e 2,5% em 2018, o primeiro biênio em uma década no qual a França respeitou o teto de 3% fixado pela UE.

Para Creel, como ser "bom aluno" na classe europeia não lhe trouxe dividendos, Macron recentralizou sua atenção no plano nacional.

"A aposta dele é que essas medidas preservem o crescimento francês e se autofinanciem. Mas são as últimas cartadas para tirar o país da crise social."

Protesto dos 'coletes amarelos' em Metz, no leste da França - Jean-Christophe Verhaegen / AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.