Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Sem Bolsonaro, jantar em NY vira desagravo a presidente e dá protagonismo a Doria

Presidente desistiu de comparecer após pressão feita por prefeito nova-iorquino e ativistas

Marina Dias
Nova York

Um jogo de luzes invadiu o palco do hotel Marriott Marquis, na popular Times Square, em Nova York, quando o presidente da Câmara de Comércio Brasil-EUA tomou a palavra perto das 21h desta terça-feira (14).

A música “Viva la Vida”, da banda inglesa Coldplay, diminuiu de volume para dar espaço ao desabafo de Alexandre Bettamio: “É uma noite completamente diferente da que foi planejada. Mas estamos aqui, com a casa cheia”.

O jantar de entrega do prêmio "Pessoa do Ano" desta vez não contava com nenhum dos dois homenageados: o presidente Jair Bolsonaro e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, não compareceram à celebração.

O governador de São Paulo, João Doria, durante evento em Campos do Jordão - Bruno Santos - 5.abr.2019/Folhapress

O líder brasileiro admitiu a desistência de viajar à cidade há quase duas semanas, após ter sido pressionado por ativistas e políticos nos EUA, entre eles o prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio, que o acusaram de racismo e homofobia.

Depois da execução dos hinos do Brasil e dos EUA, Bettamio disse que aquele era um jantar simbólico, já que o presidente havia decidido não comparecer ao evento “após manifestações de intolerância que recebeu”.

Blasio chamou Bolsonaro de “ser humano muito perigoso” e comemorou quando o Museu de História Natural de Nova York, que tradicionalmente recebe o jantar de gala promovido pela entidade, desistiu de sediar a celebração devido às polêmicas que envolvem a figura do presidente.

“A Câmara de Comércio compreendeu a decisão e solidarizou-se [com Bolsonaro]”, afirmou Bettamio, anunciando que o prêmio será entregue em um almoço na cidade de Dallas, no estado do Texas, marcado para quinta-feira (16).

Poucos minutos depois, coube ao governador de São Paulo, João Doria, complementar o desagravo ao presidente brasileiro.

Escalado para discursar no lugar de Bolsonaro diante dos cerca de mil convidados, o tucano fez uma fala em inglês —para que o prefeito nova-iorquino “compreendesse bem”— e disse que, da próxima vez, Blasio precisa ser “mais gentil com o presidente e com os brasileiros que visitam a sua cidade”.

“Apesar de você, nós amamos Nova York e amamos a América", completou Doria, que disse não ser “alinhado politicamente”, mas respeitar Bolsonaro.

Com pretensões de se candidatar à Presidência da República em 2022, o governador paulista tem mesclado postura de aproximação e distanciamento de Bolsonaro, a depender da crise que envolve o Planalto.

Com o cancelamento da viagem presidencial a Nova York, Doria tentou capitalizar o protagonismo dos eventos durante a semana —e também no jantar desta terça.

Nesta quarta (15), o governador viaja a Dallas para acompanhar Bolsonaro em uma agenda articulada às pressas pelo Itamaraty para que o presidente recebesse a homenagem em solo americano.

O ex-embaixador dos EUA no Brasil, Cliff Sobel, por exemplo, organizou uma reunião de Bolsonaro com George W. Bush, ex-presidente americano que era próximo de Lula e hoje, entre os republicanos, é uma das vozes mais críticas a Donald Trump.

A reunião, dizem diplomatas brasileiros, deve durar cerca de 15 minutos no escritório de Bush.

Durante o jantar desta terça, Sobel disse que relutou muito para estar no evento de Nova York, atento à tensão política crescente nos EUA. 

Ele afirmou que a sociedade se tornou intolerante, rejeitando o direito do outro de expressar seus pontos de vista.

Enquanto os convidados comiam salada de alface com morango e filé de peixe acompanhado de risoto de espinafre, cerca de 75 pessoas protestaram por cerca de três horas contra Bolsonaro na porta do hotel na Times Square.

Outros grupos planejam manifestações em Dallas, onde, além do encontro com Bush, o presidente brasileiro vai participar na quinta (16) de um almoço promovido pelo World Affairs Council. É lá que ele deve receber a homenagem da Câmara de Comércio Brasil-EUA, com a presença de Bettamio.

Pouco antes das 23h desta terça, os convidados já deixavam o salão do evento. O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi ovacionado ao ser citado por Bettamio. 

Empresários e investidores —a grande maioria formada por brasileiros— que estavam no jantar ficaram irritados com a desorganização do governo e do evento.

Depois de pagarem entre US$ 1,5 mil e US$ 2,5 mil por um convite para a gala, foram informados —por e-mail e pela imprensa— sobre as alterações na programação. 

Muitos deles, porém, não alteraram suas rotas para ir a Dallas.

Em Nova York para palestras e encontros com investidores, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por exemplo, recebeu de três empresários diferentes convite para jantar nesta terça (14).

Fizeram o deputado rever sua presença no jantar. Dois dias antes, Maia cancelou sua participação. 
Estavam presentes, além de Doria, somente os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli.

Enquanto a presença da comitiva brasileira derretia, a Embaixada do Brasil em Washington agia para tentar levar nomes relevantes, pelo menos do lado americano, para a festa.

Os diplomatas brasileiros tentaram fazer com que o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani comparecesse. Ele, no entanto, alegou que estava em viagem e não conseguiria atender ao pedido de última hora.

Bolsonaro chega nesta quarta a Dallas para uma agenda de pouco mais de 24 horas na cidade. 

Contará com a companhia de Guedes e dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Heleno Augusto (GSI).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.