Incêndios florestais e mortes marcam onda de calor na Europa

Termômetros na França chegam a 45,9ºC; Itália registra ao menos três óbitos

Paris e MADRID | Reuters

Centenas de bombeiros tentaram neste sábado (29) conter os incêndios florestais no sul da França, causados por uma onda de calor sufocante que traz temperaturas recordes para partes da Europa neste mês de junho e que já matou pelo menos três pessoas na Itália.

Na região de Gard, onde a maior temperatura da história da França foi registrada na sexta-feira (29) —45,9 graus Celsius—, dezenas de incêndios queimaram cerca de 600 hectares de terra e destruíram várias casas e veículos, disseram os serviços de emergência.

Mais de 700 bombeiros e dez aeronaves foram mobilizados para combater os incêndios em Gard, no sul do país. Alguns bombeiros ficaram feridos, mas nenhum machucado grave foi relatado.

A imprensa francesa disse que um homem foi preso por iniciar incêndios deliberadamente em um vilarejo de Gard.

Turistas asiáticos se protegem do calor sob um guarda-chuva em Toledo, na Espanha - Juan Medina/Reuters

O calor extremo deve diminuir no sábado no sul da França, mas altas temperaturas ainda estão previstas, com quase 40 graus.

Mais ao norte, Paris se prepara para ter seu dia mais quente de calor este ano, com 37ºC.

As autoridades da capital mantiveram a proibição de dirigir carros mais antigos para conter a poluição, que pode piorar o calor.

A Organização Meteorológica Mundial disse nesta semana que é provável que 2019 entre na história como um dos mais anos mais quentes do mundo, e o período de 2015 a 2019 seria os cinco anos mais quentes já registrados.

​Ele disse que a onda de calor europeia é "absolutamente consistente" com os extremos ligados ao impacto das emissões de gases do efeito estufa.

O Reino Unido pode experimentar o seu dia mais quente do ano até agora no sábado, com temperaturas que devem chegar aos 35 graus Celsius, de acordo com o Met Office.

Pelo quarto dia consecutivo, temperaturas excepcionalmente acima de 43ºC foram previstas no sábado pela Espanha.

Quarenta das 50 regiões da Espanha foram colocadas sob alerta meteorológico, com sete delas consideradas em risco extremo, informou a agência meteorológica nacional.

Na cidade de Girona, o termômetro alcançou a marca recorde de 43,9ºC na sexta, a temperatura mais alta já registrada da cidade catalã.

Os bombeiros conseguiram conter 90% dos incêndios que devastaram 60 quilômetros quadrados de terras na província de Tarragona, no nordeste do país, informou o governo catalão no sábado.

Dois outros incêndios florestais na região central de Toledo ainda estão em chamas, disseram autoridades.

O calor matou pelo menos três pessoas à medida que as temperaturas subiram no centro e norte da Itália, enquanto os hospitais da capital financeira, Milão, viram um aumento de 35% nas visitas de emergência devido a condições relacionadas ao calor, informou a mídia local.

A demanda por energia na cidade aumentou quando as pessoas ligaram o ar-condicionado, causando blecautes esporádicos em lojas e restaurantes. As temperaturas estão previstas para diminuir nos próximos dias, mas continuarão quentes.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.