Calor na Europa ameaça Notre-Dame e faz tigres comerem gelo na Bélgica

Temperaturas voltam a subir no continente; teto da catedral francesa pode desabar, diz arquiteto

Madri, Bruxelas e Paris | Reuters

A onda de calor que atinge a Europa pode causar o desabamento do teto da catedral de Notre-Dame, em Paris, disse o principal arquiteto da reforma nesta quarta-feira (24).

Em 15 de abril, a igreja foi destruída por um incêndio que consumiu parte do teto e fez desabar uma de suas torres, conhecida como agulha.

Funcionários trabalham na reconstrução da catedral de Notre-Dame nesta quarta (24)
Funcionários trabalham na reconstrução da catedral de Notre-Dame nesta quarta (24) - Rafael Yaghobzadeh/Reuters

"Estou muito preocupado com a onda de calor", disse o arquiteto-chefe Philippe Villeneuve. "O que temo é que as juntas da alvenaria, à medida que secarem, percam a coerência, a coesão e as qualidades estruturais e que a abóbada ceda de repente."

Villeneuve disse que o teto abobadado "poderia muito bem" desabar e que, ao contrário dos campanários e de outras partes da catedral, especialistas ainda não conseguiram acessar o local.

O presidente Emmanuel Macron prometeu que Notre-Dame será reconstruída em cinco anos. Operários ergueram uma lona branca gigantesca sobre o teto danificado, estabilizaram os pináculos da catedral e instalaram dezenas de sensores para detectar qualquer movimento.

Oitenta dos 96 departamentos administrativos da França estavam em alerta laranja —o segundo nível mais elevado— nesta quarta-feira, quando a onda de calor se intensificou.

O instituto meteorológico estatal Météo France previu que Paris terá temperaturas recordes de 42 ºC na quinta-feira. O recorde atual da capital é 40,4 ºC, registrado em 1947.

A França não é o único país que está sofrendo com o aumento da temperatura no continente neste verão.

Devido ao calor, cuidadores de um zoológico na Bélgica tiveram que dar cubos de gelo gigantes com galinhas para os tigres. 

A temperatura chegou a 39,9 ºC no país, superando a máxima anterior de 36,6 ºC de junho de 1947 nos registros iniciados em 1833, segundo David Dehenauw, chefe de previsões do Instituto Meteorológico Real.

Pela segunda vez em um mês, um sistema de alta pressão atraiu o ar quente do deserto do Saara, quebrando recordes na Bélgica e na Holanda. A previsão é que a situação continue até sexta (26) e que atinja ainda o Reino Unido e a Alemanha, além da França. 

Um incêndio florestal atingiu a província de Zaragoza, no norte da Espanha, após os termômetros alcançarem 41 ºC. O fogo já foi controlado na região, mas há risco de novos focos.

Autoridades italianas também emitiram alertas de incêndio para a ilha mediterrânea de Sardenha, onde as temperaturas devem passar dos 41 ºC. Elas também colocaram 13 cidades em alerta climático vermelho, o mais elevado, advertindo para um possível risco à saúde de toda a população. 

Em Portugal, o maior incêndio florestal do ano até agora, que ocorreu durante o final de semana, foi controlado por mais de mil bombeiros na terça-feira (23), mas o país continua sob alerta elevado. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.