Federação de Agricultura do PR critica decisão de não vender combustível para navios do Irã

Embarcações sancionadas pelos EUA estão paradas no porto de Paranaguá, carregadas com milho

Brasília

A FAEP (Federação de Agricultura do Estado do Paraná) criticou nesta terça-feira (23) a decisão da Petrobras de não fornecer combustível para navios iranianos que estão parados no porto de Paranaguá (PR) e disse que a medida traz "péssimas consequências para o setor agrícola do Brasil".

"As sanções econômicas contra o Irã, estabelecidas pelos Estados Unidos e em alinhamento com os interesses do governo federal, não devem ser aplicadas em caso de transporte de alimentos, assim como de medicamentos e equipamentos médicos. O transporte de comida está previsto no que se encaixa como 'exceção humanitária'", disse a entidade, em nota.

O navio iraniano Bavand, ancorado no porto de Paranaguá (PR) - João Andrade/Reuters

Os EUA ampliaram suas sanções contra o Irã neste ano, visando atingir o setor petrolífero do país. Na sexta (19), a Petrobras confirmou que não forneceu combustíveis para navios iranianos, carregados com milhos no porto paranaense, por temer represálias ao violar as regras americanas.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, opinou pela suspensão da decisão liminar que obrigaria a Petrobras a fornecer combustível aos navios, conforme manifestação enviada ao STF (Supremo Tribunal Federal), instância na qual o caso deve ser decidido.

Ao comentar o caso neste domingo (21), o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil está alinhado à política dos EUA de sanção econômica contra o país persa.

A FAEP argumentou nesta terça que o Irã é o maior importador de milho brasileiro. Além do mais, continua a entidade, o país persa "é um dos principais compradores de produtos importantes" para o Paraná, como a soja e a carne bovina.

"A paralisação dos navios também compromete a qualidade da carga de milho, que pode ser devolvido e trazer prejuízos para o setor", concluiu a FAEP. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.