Grupo joga tinta vermelha e picha embaixada do Brasil em Londres

Polícia foi chamada ao local e deteve manifestantes

Londres | Reuters

Ativistas do clima pertencentes ao grupo Extinction Rebellion jogaram tinta vermelha na embaixada brasileira em Londres para protestar contra os danos à Amazônia e o que descreveram como "violência contra os povos indígenas que vivem lá".

Integrante do grupo Extinction Rebellion joga tinta na fachada da embaixada brasileira em Londres - Peter Nicholls - 13.agos.2019/Reuters

Duas pessoas subiram em um toldo acima da entrada da embaixada, enquanto outros dois subiram nas janelas.

Impressões de mãos vermelhas e marcas de tinta podiam ser vistas por toda a fachada, assim como pichações com frases como "ele não", slogan usado contra o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), durante a eleição de 2018, e "No More Indigenous Blood" (sem mais sangue indígena, em tradução livre). 

A polícia foi chamada ao local e deteve o grupo.

 

O grupo afirmou que o intuito do ato era desafiar o governo brasileiro sobre "abusos de direitos humanos sancionados pelo Estado".

Ainda de acordo com o Extinction Rebellion, o ato foi programado para coincidir com uma marcha de mulheres indígenas em Brasília. Eles também prometem ações semelhantes em embaixadas brasileiras em Chile, Portugal, França, Suíça e Espanha.

No Brasil, na manhã desta segunda-feira (12), cerca de 300 mulheres indígenas ocuparam um prédio da Funasa (Fundação Nacional de Saúde) em Brasília. O ato visava pressionar o governo Bolsonaro por melhorias na saúde indígena, sobretudo das mulheres.

Elas esperavam uma reunião para tratar do tema e deixaram o prédio por volta das 19h30, após o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, se dispor a receber líderes.

Em fevereiro, a fachada da embaixada do Brasil em Berlim, na Alemanha, foi atacada com tinta rosa. O texto de autoria do grupo que reinvidicou o ataque afirmava que o ato foi uma forma de protestar contra Bolsonaro. ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.