Partido de Salvini apresenta pedido no Senado italiano para convocar novas eleições

Vice-premiê detonou crise ao declarar coalizão da Liga com Movimento 5 Estrelas ingovernável

Roma (Itália) | Reuters

O partido Liga apresentou nesta sexta (9) uma moção de desconfiança no Senado para derrubar o governo italiano e disse esperar que o país tenha novas eleições rapidamente. A moção deve ser votada até 20 de agosto, segundo o jornal italiano Corriere Della Sera.

"Aqueles que perdem tempo prejudicam o país", afirmou o partido de extrema direita em um comunicado.

Na quinta (8), o líder do partido e vice-primeiro-ministro Matteo Salvini detonou uma crise ao declarar a coalizão governista da Liga com o Movimento 5 Estrelas (antissistema) ingovernável e defender a antecipação das eleições, jogando a terceira maior economia da zona do euro em um cenário de instabilidade.

O Parlamento está em recesso de verão e cabe ao presidente do Senado decidir quando convocar os deputados e senadores para levarem adiante os passos necessários para um novo pleito. Salvini quer que os legisladores sejam chamados a Roma já na próxima semana.

O árbitro final da política italiana é o presidente da República, Sergio Mattarella, a quem cabe a decisão de dissolver o Parlamento e chamar eleições.

Matteo Salvini, líder do principal partido governista e vice-primeiro-ministro da Itália - Remo Casilli/Reuters

Os chefes de grupos políticos do Senado italiano se reunirão na segunda-feira (12) para definir um cronograma para o voto de desconfiança, informou a assessoria de imprensa da Casa em comunicado divulgado nesta sexta.

Novas eleições podem acontecer em outubro. 

Salvini disse nesta sexta que, caso a Liga assuma o governo, a prioridade será baixar impostos. "Vamos diminuir as taxas para trabalhadores e empresários", disse em um comício na região de Apulia.

"O objetivo do próximo governo é estabelecer uma taxa de 15% para a maioria dos italianos. Se a União Europeia nos permitir fazê-lo, tanto melhor, mas caso contrários vamos fazê-lo de qualquer forma." 

O anúncio acontece após um período de intensas disputas entre os dois partidos. Em nota, Salvini afirmou ter dito ao premiê Giuseppe Conte que não pertence a nenhuma das duas siglas, que a aliança com o 5 Estrelas entrou em colapso depois de cerca de um ano no poder e que “nós daríamos rapidamente a escolha de volta aos eleitores”.

A Liga divulgou uma lista de várias áreas em que tem “visões diferentes” das do 5 Estrelas, incluindo infraestrutura, impostos, justiça e relações com a União Europeia. 

Ambos eram fortes adversários antes das eleições de março de 2018, até que formaram sua aliança improvável —que frequentemente tem provocado instabilidades no mercado financeiro e críticas da Comissão Europeia

O 5 Estrelas tem mais assentos no Parlamento que a Liga, mas o partido de Salvini registra mais apoio popular, segundo pesquisas de opinião. A Liga estaria tentando capitalizar em cima de sua popularidade ao dar início ao processo que pode resultar em novas eleições.

Erramos: o texto foi alterado

O Movimento 5 Estrelas é antissistema, e não antissemita, como foi descrito na primeira versão deste texto. A informação foi corrigida.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.