Em áudio vazado, líder de Hong Kong diz que deixaria governo se tivesse escolha

Captada em uma reunião a portas fechadas, conversa é divulgada em meio a boicote de estudantes

Hong Kong | Reuters

Uma gravação na qual a chefe-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, afirma que deixaria o governo caso tivesse escolha veio à tona nesta segunda-feira (2). 

O áudio, de 24 minutos, captado em uma reunião a portas fechadas entre Lam e empresários, foi obtido pela agência de notícias Reuters. 

A chefe-executiva de Hong Kong, Carrie Lam - Ann Wang/Reuters

No encontro realizado na última semana, Lam disse que gerou um "caos imperdoável" ao detonar a crise política no território e que agora tem pouco espaço para resolvê-la. "Se eu tiver uma escolha, a primeira coisa é sair e pedir desculpas sinceras", afirmou a mandatária.

Lam sugere que a impossibilidade de escolher seu destino se deve ao fato de que sua administração serve “a dois mestres, pela Constituição”: o governo chinês e o povo de Hong Kong.

Segundo a chefe-executiva, a questão se tornou um imbróglio de segurança nacional e levantou discussões a respeito da soberania chinesa no momento em que o país vive uma guerra comercial com os Estados Unidos.​

Para a mandatária, Pequim ainda não atingiu um ponto de virada. Ela ainda disse que o Partido Comunista não impôs prazo para o término da crise antes das comemorações do Dia Nacional, em 1º de outubro, quando se celebra a fundação da República Popular da China.

Lam também afirmou que a China continental "não tem absolutamente nenhum plano" de enviar tropas militares para conter as manifestações nas ruas de Hong Kong.

Líderes mundiais têm observado de perto a possibilidade —caso o Exército seja enviado, há temores de um massacre nos moldes da sangrenta  repressão na Praça da Paz Celestial. Na ocasião, centenas de estudantes que defendiam a abertura política foram mortos em Pequim.

Nesta segunda, milhares de alunos de escolas e universidades de Hong Kong boicotaram as aulas e marcharam pacificamente a favor da democracia. O ato ocorre naquele que seria o primeiro dia de aula após as férias de verão.

O boicote se seguiu a um final de semana marcado por alguns dos piores episódios de violência desde o início dos tumultos. Manifestantes queimaram barricadas e lançaram coquetéis molotov, e a polícia reprimiu com canhões de água, gás lacrimogêneo e cassetetes.

Milhares de estudantes se reuniram no campus da Universidade Chinesa.

Eles pedem mais democracia na ex-colônia britânica, devolvida à China em 1997 segundo a fórmula “um país, dois sistemas”, que garante certa autonomia ao território, incluindo o direito de protestar e um Judiciário independente.

Os manifestantes temem que essas liberdades estejam sendo erodidas lentamente por lideranças do Partido Comunista em Pequim, uma acusação que a China nega.

Estudantes protestam na Universidade Chinesa de Hong Kong - Philip Fong/AFP

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, reiterou o apoio de Pequim à líder de Hong Kong, Carrie Lam.

O secretário da Educação, Kevin Yeung, disse aos repórteres que as escolas não são lugar para "fazer exigências políticas" ou tentar pressionar o governo.

Os estudantes compareceram em números significativos em protestos recentes e também foram proeminentes durante o movimento dos guarda-chuvas, em 2014, que prenunciou as manifestações atuais.

Desde junho, milhares de pessoas participam de protestos contra um projeto de lei —agora suspenso — que permitiria a honcongueses serem extraditados para serem julgados nos tribunais da China continental, controlados pelo Partido Comunista.

Com a intensificação do movimento, os atos passaram a abrigar demandas por mais democracia em Hong Kong, como maior participação na escolha dos representantes no Parlamento local e a queda de Lam.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.